Wadão Marques é 2º colocado em Concurso de Poesias da UFSJ

O professor, compositor, escritor e poeta olimpiense Edward Marques da Silva, o Wadão Marques se classificou em segundo lugar no 16º Concurso de Poesias-2016 da Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ), ganhando o direito de ver sua composição, “Luto”, ser publicada em um livro a ser editado pela entidade de ensino.

A Universidade Federal de São João del-Rei promove desde 2000 o Concurso de Poesias da UFSJ, congregando a cada edição um número cada vez maior de escritores de diversas localidades (inclusive de outros Estados), de diferentes faixas etárias, origens socioculturais e formação acadêmica.

A Cerimônia de Premiação do Concurso de Poesias da UFSJ é uma das atrações do Inverno Cultural da UFSJ, que ocorre durante a segunda metade do mês de julho e que reúne um grande público entre participantes do concurso, familiares, convidados, turistas e os frequentadores das oficinas e atrações artístico-culturais promovidas pela UFSJ, além dos moradores de São João del-Rei e região.

O Concurso de Poesias da UFSJ é uma oportunidade para que poetas consagrados ou anônimos, profissionais ou diletantes, iniciantes ou veteranos possam expressar sua arte literária e ter a chance de concorrer para ter seu poema publicado em um livro com os 30 primeiros classificados, editado e impresso pelo Setor Gráfico da UFSJ.

Este livro, publicado por uma instituição de ensino superior federal como a UFSJ, possui ampla circulação entre a comunidade acadêmica e o meio artístico-cultural, estimulando o gosto pela leitura e divulgando os poetas e escritores de várias regiões do país.

Os três primeiros trabalhos vencedores na categoria geral foram: 1° lugar, Despedida, de José Eugênio Borges de Almeida; 2° lugar, Luto, de Edward Marques Silva e 3° lugar, Arremate, de Geraldo Trombin.  Poemas Classificados para publicação. Estes três poemas também foram os primeiros classificados entre os 30 selecionados. Leia, abaixo, a poesia do olimpiense.

 

Luto

Foi encontrado morto na manhã de hoje

Um poema em estado avançado de decomposição

Exibia catacrese necrosada e aliterações internas alteradas

Sinais de sextilhas e redondilhas

Acusavam o uso abusivo da métrica

Evidenciava-se também carcomidos adjetivos

Desprendidos das vértebras verbais

O referido cadáver literário apresentava metástase linguística

Rimas putrefatas e falência múltipla de ritmo

A antonomásia revelou um excesso de metáforas

E ausência de metonímia

Constatação esta que teria motivado essa trágica prosopopeia.

Comentários