Vereador quer ensino do Criacionismo nas escolas

Grade ‘deve incluir noções de que a vida tem origem em Deus’, prega Marco Santos (PSC); Simões (SD) altera ‘Semana do Evangélico’

O vereador evangélico Marco Santos (PSC) apresentou à Câmara e teve deliberado na sessão ordinária de segunda-feira passada, 1º de junho, o projeto de Lei 4.874, que dispõe sobre a inclusão na grade curricular do Ensino Fundamental das escolas públicas municipais, conteúdos sobre o Criacionismo. Ele pretende, com isso, contrapor o ensino do Evolucionismo que, em sua opinião, vai contra a liberdade de crença do povo, “uma vez que a doutrina Criacionista é a predominante em todo nosso país”, apontou, entre outras justificativas.

Caso seja aceito pela Comissão de Constituição e Justiça, principalmente, uma vez que constitucionalmente o Estado é laico (rejeita a influência da Igreja na esfera pública, pois considera que os assuntos religiosos só devem pertencer à esfera privada de cada indivíduo), o PL irá à primeira votação segunda-feira, 8. Santos quer o Criacionismo fazendo parte da grade curricular, incluindo “noções de que a vida tem sua origem em Deus, como criador supremo de todo universo e de todas as coisas que o compõem”.

“Didaticamente, o ensino sobre Criacionismo deverá levar ao estudante, analogamente ao evolucionismo, alternância de conhecimento de fonte diversa, a fim de que o estudante avalie cognitivamente ambas as disciplinas”, justifica Santos no corpo do projeto. O vereador entende que “ensinar apenas o Evolucionismo nas escolas é ir contra a liberdade de crença de nosso povo, uma vez que a doutrina criacionista é predominante em todo nosso país”.

Para Santos, “o ensino darwinista (que tem origem em Charles Robert Darwin, um naturalista britânico que alcançou fama ao convencer a comunidade científica da ocorrência da evolução e propor uma teoria para explicar como ela se dá por meio da seleção natural e sexual) limita a visão cosmológica de mundo existencialista levando os estudantes a desacreditarem da existência de um criador que está acima das frágeis conjecturas humanas forjadas em tubos de ensaio laboratorial”.

O vereador do Partido Social Cristão completa dizendo que “o que se requer não é a supressão da teoria evolucionista dos currículos escolares, mas a inclusão da doutrina criacionista, tendo em alta conta que esse é o ensino adotado pela maioria das religiões”.

O QUE É
O criacionismo e o evolucionismo são duas teorias que tentam explicar a criação e a evolução do homem. Embora nenhuma delas possa ser comprovada em laboratório, as coincidências param por aí, pois suas abordagens são completamente distintas. A Bíblia Sagrada, mais especificamente no livro de Gênesis, narra a história da origem de tudo que há ao nosso redor, como Sol, estrelas e seres vivos. O primeiro versículo da Bíblia já diz: “No principio criou Deus os céus e a terra”. Esta é a ideia central do criacionismo: Deus criou todas as coisas, inclusive o homem.

Entretanto, é importante desvincular criacionismo de cristianismo, pois a teoria criacionista prega que todas as coisas foram criadas substancialmente por um Criador onipotente, não sendo, necessariamente, o Deus dos cristãos. O islamismo, por exemplo, também prega uma visão baseada no criacionismo, porém com a figura de Alá.

SEMANA DO EVANGÉLICO
Enquanto isso, o vereador também evangélico Leonardo Simões (Solidariedade-SD), teve aprovado em regime de urgência, o seu projeto de Lei 4.883, que altera o Artigo 1º da Lei 3.691, que na verdade é de 27 de maio de 2013, e não de 2014, conforme consta na ementa, que dispõe sobre a criação da Semana do Evangélico no município.

Assim, a data para a comemoração da Semana, antes prevista para a primeira semana de agosto, passa a ser comemorada, anualmente, “até o término do mês de agosto”.  Entre outras atividades, a Semana prevê a entrega, na Câmara de Vereadores, do Diploma de Mérito “ao membro que mais se destacou em sua Igreja, que deverá ser indicado pelo seu pastor”.

Comentários