Vereador critica aumento e sugere que problema da água ‘é grave’

“Os serviços de água e esgoto de nossa cidade estão lamentáveis, parece que o problema é grave’, disse o vereador Hélio Lisse da Tribuna da Câmara

Vereador Hélio Lisse

O vereador Hélio Lisse Júnior (PSD), além de criticar o aumento praticado pela Daemo Ambiental nas tarifas de água e esgoto logo no início do ano, sugeriu que os serviços prestados pela Superintendência aos munícipes, podem estar com sérios problemas. O prefeito Fernando Cunha (PR), por meio do Decreto nº 7.365, de 27 de dezembro de 2018, reajustou e fixou os preços cobrados pelo fornecimento de água e pela coleta de esgotos e serviços em 9.40% para 2019, dizendo ter levado em conta várias situações de investimentos para tomar a decisão.

“Queria dizer que sou contra o aumento de conta de esgoto e água em nossa cidade, de 9.40%, quando as pessoas não tiveram um aumento que chegou a 4%. Você não pode recuperar numa canetada só o que você não achou conveniente em dar em outra época. Além do mais, o serviço de água e esgoto da nossa cidade estão lamentáveis, parece que o problema é grave, todo dia tem um bairro faltando água”, observou Lisse Júnior.

O Executivo diz que o último reajuste foi em 2016 e que “neste período tivemos mais de 15,7% de inflação”. Assim, decretou o valor mínimo mensal de consumo de água por unidade em 10 m³, para todas as classes de consumo.

As tarifas para o consumo de água corrigidas passaram a vigorar de acordo com o conteúdo de valores abaixo, que abrange as classes Residencial, de Economia Mista, Comercial, Industrial e Pública.

A partir de agora, os consumos de 0 a 10 metros cúbicos, custarão R$ 16,56, R$ 20,13, R$ 23,67, R$ 47,33, R$ 51,09, respectivamente, enquanto o consumo de 11 a 20m³ terá R$ 3,33 por m³ adicional, R$ 3,75 por m³ adicional, R$ 4,16 por m³ adicional, R$ 4,62 por m³ adicional e R$ 4,99 por m³ adicional, também respectivamente às classes Residencial, de Economia Mista, Comercial, Industrial e Pública.

Para cada uma destas classes o consumo de 21 a 30m³ custará R$ 3,37 por m3 adicional, R$ 3,77 por m³ adicional, R$ 4,18 por m³ adicional, R$ 4,64 por m³ adicional e R$ 5,03 por m³ adicional; de 31 a 50m³, R$ 4,19 por m³ adicional, R$ 4,70 por m³ adicional, R$ 5,22 por m³ adicional, R$ 6,26 por m³ adicional e R$ 6,80 por m³ adicional, respectivamente.

A lista de valores continua com os consumos de 51 a 60m³, R$ 6,05 por m³ adicional, R$ 6,06 por m³ adicional, R$ 6,06 por m³ adicional, R$ 7,06 por m³ adicional, R$ 7,72 por m³ adicional, e de 61 a 70m³, R$ 6,12 por m³ adicional, R$ 6,12 por m³ adicional, R$ 6,12 por m³ adicional, R$ 7,11 por m³ adicional, R$ 7,79 por m³ adicional, e acima de 70 m³, R$ 6,16 por m³ adicional, R$ 6,16 por m³ adicional, R$ 6,16 por m³ adicional, R$ 7,19 por m³ adicional e R$ 7,87 por m³ adicional, conforme a classe de consumidor citada acima.

Isso significa que a cada metro cúbico que exceder os 10 mil metros cúbicos estipulados como consumo mínimo, o consumidor deve acrescentar os valores citados acima, conforme sua classe de consumo –Residencial, de Economia Mista, Comercial, Industrial, Pública.

Tarifas correspondentes à administração dos esgotos: acrescer 80% dos valores acima. Além disso, foi fixado o valor de R$ 0,12 por metro cúbico de água consumida, a ser acrescentado nas faturas mensais, cuja arrecadação será destinada ao Programa Permanente de Manutenção de Hidrômetros (PPMH) implantado pela DAEMO Ambiental.

Comentários