Regional investiga terceira possível morte por dengue em Olímpia

Uma mulher teria morrido pela doença; Estância está com mais de 300 casos positivos e GVE de Barretos classificou município em quadro epidêmico

A situação com referência aos casos de Dengue na Estância Turística de Olímpia não está tão sob controle, aparentemente, como tentam fazer parecer crer as autoridades médicas e sanitárias do município.  A Saúde local confirma pouco mais de 300 casos, mas junto à população a desconfiança é grande, pois todo mundo conhece pelo menos uma pessoa que está ou esteve com a doença nas últimas horas.

E agora surge a informação de que uma terceira morte em razão da doença estaria sendo investigada pela Regional de Saúde de Barretos. Na semana retrasada, a interlocutora de dengue da Divisão Regional de Saúde de Barretos, Marta Aparecida Felisbino, havia confirmado à reportagem do Planeta News que havia uma investigação sendo feita sobre dois óbitos com suspeita de terem sido por dengue em Olímpia. E esta semana surge a informação, por meio deste mesmo órgão, de que uma terceira morte está sob investigação.

A assessoria de imprensa da prefeitura nega haver qualquer registro de óbito na cidade em decorrência da dengue, alegando não ter sido o município, até agora, notificado sobre estas ocorrências. Mas parece, inclusive, que um dos casos pode levar a consequências judiciais até, segundo informações extraoficiais. Não há, ainda, melhores detalhes sobre o ocorrido, como também ainda não há um posicionamento oficial da Regional sobre os casos anteriores.

“Não podemos informar nada sobre os pacientes que vieram a óbito, pois existe uma investigação sobre a causa mortis. A suspeita é que tenha sido por dengue”, relatou Marta Felisbino na semana retrasada.

Em Olímpia, os casos vêm aumentando consideravelmente nos últimos meses. A cidade tem oficialmente registrados, 316 casos da doença, segundo a Secretaria Municipal da Saúde. Porém, conforme a metodologia aplicada com relação aos casos de dengue, para cada registro computa-se 3 ou 4 não notificados. Sendo assim, Olímpia pode ter, na verdade, mais de 930 a até mais de 1,2 mil pessoas infectadas com a doença. Há relatos de que a Unidade de Pronto Atendimento-UPA, tem sido sobrecarregada com pacientes sintomáticos da dengue.

SALA DE HIDRATAÇÃO NA UPA
Com intuito de tratar os pacientes com dengue, a prefeitura de Olímpia, por meio da Secretaria de Saúde, segue adotando estratégias para a implantação de uma sala de hidratação do município. O equipamento tem previsão de estar em funcionamento ainda este mês.

A medida inédita visa garantir a assistência qualificada e tratamento mais ágil aos pacientes diagnosticados com dengue, disponibilizando um atendimento diferenciado em uma sala que funcionará na Unidade de Pronto Atendimento.

A inciativa se deve ao fato da crescente demanda de atendimento da unidade, principalmente, de pacientes com sintomas da dengue. Desde o último mês, estima-se um aumento diário de 50% nos atendimentos em relação aos demais meses. Assim, com a implantação, o paciente que procurar as Unidades Básicas de Saúde ou a própria UPA, apresentando sintomas da doença, receberá um encaminhamento para a sala de sorologia.

Mesmo com a intensificação dos trabalhos, a doença segue avançando no município, assim como em toda a região. Segundo levantamento do setor de Vigilância Epidemiológica, até o momento foram registradas 1.397 notificações e 316 casos positivos. Em decorrência da quantidade de pacientes diagnosticados com a doença, o Grupo de Vigilância Epidemiológica (GVE) de Barretos, classificou o município em quadro epidêmico.

Segundo o GVE, com ao estado epidêmico, a coleta de sorologia para dengue é suspensa, mas as Unidades Básicas de Saúde continuam atendendo para fazer as notificações de novos casos de dengue. As coletas agendadas até 12 de abril estão autorizadas a dar entrada no laboratório de Barretos para serem processadas no Instituto Adolfo Lutz em Ribeirão Preto.

Comentários