Prodem resolve problema criado proibindo caminhões

Empresa espalhou de forma indiscriminada conjuntos de faróis pela cidade e no trecho da Mário Marcondes em aclive, decidiu proibir tráfego de caminhões para sanar erro

A Câmara Municipal da Estância Turística de Olímpia aprovou na noite de segunda-feira passada, 22 de outubro, o projeto de Lei nº 5.392/2018, avulso nº 94/2018, de autoria do Executivo, que dispõe sobre a proibição do tráfego de caminhões em diversos trechos urbanos municipais.

Aprovado pela unanimidade da Casa, o projeto que na quarta-feira foi transformado na Lei 4.402, de 24 de outubro de 2018, visa regular trecho da avenida onde está instalado e prestes a funcionar, um conjunto de semáforos, no cruzamento com a Rua David de Oliveira. O trecho, partindo da Avenida Deputado Waldemar Lopes Ferraz, tem cerca de 200 metros em aclive, o que tornou a proibição necessária.

Não se sabe se os organizadores do trânsito em Olímpia já tinham isso em mente, ou se só tomaram conhecimento do problema após publicação no Planeta News sobre esta dificuldade que os caminhões iriam enfrentar ao ter que parar no semáforo num trecho em aclive, o que, inclusive, implicaria em riscos de acidentes graves. Como solução para o problema, decidiram então proibir estes veículos de transitar por ali.

A Lei também alcançará toda extensão da Avenida Aurora Forti Neves, via pela qual os caminhões poderiam transitar como escape, visando alcançar o alto da cidade.

Sendo assim, a partir do dia 1º de novembro os caminhões acima de oito toneladas serão proibidos de circular na Avenida Mário Vieira Marcondes, no trecho entre a Avenida Deputado Waldemar Lopes Ferraz e Rua David de Oliveira, e na Avenida Aurora Forti Neves, trecho entre as avenidas Dr. Andrade e Silva e Constitucionalistas de 32.

Segundo a direção da Prodem, este era o último trâmite legal necessário para possibilitar a ligação dos semáforos no cruzamento da Mário Marcondes com a David de Oliveira, considerado um dos pontos de grande fluxo de veículos da cidade, mas sem muito perigo de acidentes, uma vez que pela Mário, sentido Deputado, há um redutor de velocidade a 20 metros da esquina, pela David de Oliveira os motoristas já param no cruzamento e pela Mário Marcondes sentido trevo, é a já citada subida.

A proibição alcança a circulação de veículos articulados, veículos de carga acima de um eixo traseiro vazio ou carregado pesando acima de oito mil quilos, em qualquer horário, em determinados trechos especificados pela futura Lei. Foi feita a classificação dos veículos em articulado –combinação de veículos acoplados, sendo um deles automotor, e veículo de cargas –destinado ao transporte de carga, contendo mais de um eixo traseiro.

Os veículos que tiverem suas cargas ou descargas destinadas ao perímetro a ser proibido pela Lei –o que terá que ser comprovado com a apresentação da respectiva nota fiscal à autoridade de trânsito, e aqueles destinados ao transporte de passageiros devidamente regularizados, estão fora da proibição. Quem desobedecer estará sujeito às penalidades previstas no Código de Trânsito Brasileiro e outras de natureza administrativa, civil e penal cabíveis. Os agentes e autoridades de trânsito poderão solicitar, a qualquer momento, a imobilização do veículo para a adequada fiscalização.

Porém, estão fora destas limitações os veículos destinados a socorro de incêndio e salvamento, os de polícia, os de fiscalização e operação de trânsito e as ambulâncias, que além de prioridade de trânsito, gozam de livre circulação, estacionamento e parada, quando em serviço de urgência e devidamente identificados por dispositivos regulamentares de alarme sonoro e iluminação vermelha intermitente.

Também os veículos prestadores de serviços de utilidade pública, quando em atendimento na via, que da mesma forma gozem de livre parada e estacionamento no local da prestação de serviço, desde que devidamente sinalizados, devendo estar identificados na forma estabelecida pelo CONTRAN.

Comentários