Olímpia tem mais de cem aidéticos conhecidos

Além disso, de acordo com a secretária municipal da Saúde, Silvia Forti, há mais de 200 pessoas com outras doenças graves

 

A secretária municipal de Saúde, Silvia Forti Storti, disse esta semana que Olímpia tem cadastrados na rede, até agora, 110 pacientes de HIV/Aids, dos quais 91 tomam medicação. Há ainda outros 11 casos de tuberculose, além dos 35 em processo de quimioprofilaxia. A quimioprofilaxia consiste na administração de medicamentos capazes de prevenir a infecção pelo bacilo da tuberculose (quimioprofilaxia primária) ou de evitar que o indivíduo, já infectado, adoeça (quimioprofilaxia secundária).

Além disso, Olímpia ainda possui outros seis pacientes com hanseníase (tuberculose), e 87 com Hepatite A, e 78 com Hepatite B. “É muito importante, volto a frisar, todas as pessoas deviam fazer o teste, pelo menos uma vez por ano. Procurem o CTA, é um teste rápido, com equipe preparada, que vai orientar direito a pessoa (sobre hepatites e outras doenças)”, pede a secretária.

 

CÂNCER DE PELE
Foi realizada no último sábado, 30 de novembro, a Campanha Nacional de Combate ao Câncer da Pele, coordenada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde. A campanha, realizada no Ambulatório de Referências e Especialidades (“Postão”), atendeu mais de 350 pessoas, das 9 às 15 horas, gratuitamente. O objetivo da campanha é prevenir e tratar o câncer de pele precocemente, diminuindo as chances de lesões mais sérias e sofrimentos.

De acordo com a dermatologista Solange Benatti Murad, uma das coordenadoras da campanha em Olímpia, os atendimentos foram acima das expectativas. Participaram dos trabalhos também as dermatologistas Nely Spegiorim Rímoli, Thaís e Bruna, e os médicos Selim Jamil Murad, Gilson Carlos Miranda, José Antônio e Suelen, além de toda equipe da Saúde municipal, bem como a Pastoral da Saúde.

Agora, os pacientes que foram diagnosticados com algum câncer de pele, o procedimento é de encaminhamento para o cirurgião da Rede (pequenas cirurgias) e exame de biópsia pelo Laboratório do Centro de Saúde, ou, se necessário, com guia de referência para a Cirurgia Plástica no AME de Barretos ou encaminhamento ao Pio XII.

 

Comentários