Olímpia perde cinco médicos cubanos

Estância Turística é cidade da região que terá mais prejuízos com o rompimento do convênio que existe há vários anos em Olímpia

A Estância Turística de Olímpia irá perder nada menos que cinco médicos cubanos, o maior número deles em toda macrorregião atendendo pelo Programa Mais Médicos, do Governo Federal. A cidade sofrerá problema de continuidade das ações no Programa Saúde da Família.

Os cinco médicos são José Miguel Lorenzo; Raidel Lorenzo; Yanelis Vaillant Isaac; Tatiana Lago Columbi, que se casou com um brasileiro, mas pretende voltar para Cuba, e Tatiana Ferrer Gonzalez.

Na semana passada, o secretário municipal de Saúde, Marcos Pagliuco, havia dito que os profissionais continuariam atendendo até a comunicação oficial do governo cubano. Mas esta semana já começaram a voltar para seu país.

“Eles são lapidados para dar um atendimento mais humanizado como médicos da família e são extremamente resolutivos com os pacientes. Nós tivemos a felicidade em Olímpia, já que eles abraçaram o município como se fosse a casa deles. Se realmente isso ocorrer, acho que dificilmente vamos conseguir suprir essa lacuna deixada por eles, já que eles têm um carinho e olhar completamente diferenciados”, disse Pagliuco à imprensa regional.

A DECISÃO
A retirada é uma resposta ao anúncio do presidente eleito, Jair Bolsonaro, de que o convênio firmado com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) seguiria, em 2019, com a condição de que os médicos passassem por um teste de capacidade e recebessem salário integral.

Cuba considerou as afirmações como “depreciativas” e “inaceitáveis” e tomou a decisão de pedir o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham hoje Brasil afora. No ano passado, segundo o Ministério da Saúde, cerca de 2,3% dos médicos cubanos recorreram à Justiça para deixar de repassar o aporte de parte do salário para o governo, e também conseguir o direito de trabalhar no País.

O PROGRAMA
O programa Mais Médico foi implementado no Brasil, em 2013, e seleciona médicos de acordo com a ordem de preferência: médicos com registro no Brasil (brasileiros ou estrangeiros com revalidação do diploma), médicos brasileiros formados no exterior e médicos estrangeiros formados fora do Brasil.

Depois das primeiras chamadas, caso sobrem vagas, os médicos cubanos são convocados. O programa Mais Médicos tem 18.240 vagas em 4.058 municípios. No Estado de São Paulo, eles somam 1.394 profissionais.

Comentários