Número oficial da dengue em Olímpia já é de 850 casos confirmados

Estância está em estado epidêmico desde a semana passada; este primeiro trimestre e meio do ano já bateu recorde absoluto em número de casos; em 2018 inteiro tivemos 120 doentes

O município da Estância Turística de Olímpia já está em estado de epidemia desde a semana passada e vê sua situação piorar a cada dia no tocante ao surgimento de casos de dengue. Já batemos a casa dos 850 casos confirmados da doença, uma escalada vertiginosa considerando-se que até março eram 300 casos. Conforme a medição oficial, a Estância, na verdade, pode estar entre 2,55 mil a 3,4 mil casos, uma vez que para cada caso confirmado, outros três a quatro não são notificados.

Esta epidemia está sendo a prova de fogo do secretário de Saúde Marcos Pagliuco, que neste mês completa exatamente um ano à frente da Pasta. Lembrando que a Saúde passou por vários tremores, por três secretários e em função disso pode ter havido um “afrouxamento” nos trabalhos de prevenção, resultando na situação que a cidade vive hoje.

A população pode ter também relaxado um pouco com relação à doença, uma vez que em 2018 foram registrados, o ano todo, apenas 120 casos. Mas as chuvas não deram trégua entre o final de 2018 e começo de 2019, e isso aliado à lentidão do poder público, contribuiu, de forma definitiva, para a proliferação do mosquito.

Este primeiro trimestre e meio do ano já é o campeão absoluto em número de casos, uma vez que no ano de 2018 inteiro, a Saúde registrou somente 120 doentes. Ou seja, até agora a cidade já registra mais de 608% de casos que no ano passado.

Além disso, na semana retrasada surgiu a informação de que uma terceira morte em razão da doença estaria sendo investigada pela Regional de Saúde de Barretos. No começo do mês a interlocutora de dengue da Divisão Regional de Saúde de Barretos, Marta Aparecida Felisbino, havia confirmado à reportagem do Planeta News que havia uma investigação sendo feita sobre dois óbitos com suspeita de terem sido por dengue em Olímpia.

O secretário municipal de Saúde, Marcos Pagliuco, no entanto, nega que tenha ocorrido estas mortes. “Até agora não tem nada de óbito. Ainda não chegou até nós, não há nada confirmado”, disse ele, que não negou, no entanto, que há uma investigação sobre o caso. “Ainda está na fase da investigação”, observou.

José Roberto Fígaro, responsável pelo Setor de Endemias, informou que em 2018 foram registrados somente 120 casos de dengue. Disse também que no ano passado não havia casos na região central da cidade, mas neste ano já encontrou muitos focos. “Chegamos a encontrar 44 focos em um dia”, informou. Ele se queixou das dificuldades encontradas na relação com quem mora no centro. “Eles não abrem portões, portas, não colaboram com o agente”, reclamou. “Tem lugar no centro da cidade que já passamos umas quatro vezes (sem conseguir nebulizar)”, queixa-se.

Comentários