Niquinha chama de ‘mentira deslavada’ licitações do Festival do Folclore

Presidente da Câmara, desde o episódio do parque de diversões do Recinto, no Fefol, tem cobrado da Comissão Organizadora documentos que provem serem infundadas suas suspeitas

Vereador Niquinha

O vereador e presidente da Mesa da Câmara Legislativa, Antônio Delomodarme, o Niquinha (Avante), chamou de “mentira deslavada” as poucas informações que recebeu até agora da Comissão Organizadora do 55º Festival do Folclore, no tocante às licitações para venda de espaços das barracas e de cessão de uso do estacionamento oficial do Recinto. Na sessão ordinária do dia 12 de agosto passado, ele fez sérias acusações contra a organização do evento.

Niquinha suspeita que pelo menos um membro desta Comissão foi sócio do estacionamento oficial da festa, o que é vedado, e relatou também que houve “facilitação” em algumas barracas, sem especificar do que se tratava. N a sessão de segunda-feira, 26, ele voltou à carga.

“Quero dizer que estou aguardando toda a documentação que exigi através de requerimento, (A Comissão) me mandou uma resposta só, dizendo sobre o estacionamento, mas eu quero preço por preço das barracas, quero saber quem pegou, quem participou da licitação e o quanto arrecadou em todas as barracas”, observou.

Disse o vereador que o responsável não mandou a resposta para todas as informações. “Mandou uma reposta do estacionamento oficial do recinto, dizendo que participaram três empresas, uma deu tanto, outra tanto e outra tanto, e pegou a menor oferta. A que deu preço maior foi eliminada. Eu acho que é uma resposta inconvincente”, observou.

“Depois (o responsável) alegou que não teve tempo de fazer outra licitação. Mentira deslavada, como assim, simplesmente não tinha tempo hábil para fazer nova licitação, e que por isso o estacionamento foi cedido para a Associação de Capoeira de Olímpia?”, perguntou. “O diretor da Associação, Zé Kokão, disse que não está sabendo disso”, complementou. A propósito, Zé Kokão é funcionário comissionado do prefeito Fernando Cunha.

Niquinha disse querer “respostas convincentes para os requerimentos que fiz, se não vou para o Ministério Público, com certeza”. Adiantou que já pediu à Procuradora Jurídica da Casa de Leis para fazer “todos os procedimentos”, e se não tiver as respostas dentro de quatro a cinco dias, “vou partir para o MP e entrar com mandado de segurança para fazer valer meu direito como fiscalizador dentro desta Casa”.

No certame para concessão do estacionamento, que Niquinha acredita ter sido direcionado, ficaram classificadas, em 1º lugar, a empresa WMB Serviços e Locações ME, com valor total de R$ 31 mil; em 2º lugar, a empresa Planergi Urbanização & Serviços Eireli-ME, com valor total de R$ 27.350 e, em 3º lugar, a empresa Sabrina Fernandes Alves – ME, com valor total de R$ 26.680. Sendo esta última a vencedora.

Comentários