Município quita dívida de R$ 417,6 mil do ‘GE Fantasma’

Estado cobrava devolução do recurso liberado para a construção de um Ginásio de Esportes no Recinto do Folclore, cuja obra não foi feita

O Governo Geninho (DEM) concluiu no final do ano passado a devolução de recursos liberados há 30 anos para Olímpia pelo Governo do Estado, para construção de um ginásio de esportes no hoje chamado Recinto de Exposições e Praça de Atividades Folclóricas e Turísticas “Professor José Sant’anna”. A obra não foi executada e somente sete anos depois é que a informação chegou à Secretaria Estadual de Esportes, quando o então prefeito José Carlos Moreira (1993-1996) foi reivindicar verba para um novo GE na cidade, sem saber que já havia este caso do dinheiro usado para outros fins.

Conhecido a partir de então como “Ginásio Fantasma”, este equipamento não construído trouxe muitos dissabores para as administrações seguintes, até que o atual Governo decidiu que deveria quitar este débito com o Estado. A dívida remontava a mais de R$ 417,6 mil em valores atualizados.

Em ofício (nº 2.316/15), datado de 3 de dezembro, encaminhado ao prefeito Geninho Zuliani pela Secretaria estadual, o Chefe de Gabinete Aildo Rodrigues Ferreira informa que o procedimento foi analisado pelo Grupo de Tomada de Contas daquela autarquia, e as contas foram julgadas regulares e obtiveram Parecer Conclusivo Resumido de Recolhimento à sua aprovação. Ferreira informou ainda que os autos seriam encaminhados ao Núcleo de Infraestrutura para arquivamento, “visto que nada mais há para ser tratado”.

De acordo com documento encaminhado junto ao ofício 2.316/15, o processo da dívida na Secretaria Estadual de Turismo tinha o número 2.061/86. Ou seja, vinha rolando desde 30 anos atrás sem que houvesse solução e impedia que o município obtivesse, junto ao Estado, novos recursos para obras deste gênero.

Consta no documento que a liberação da verba estadual foi feita em cinco etapas, ainda em cruzados (CZ$), nos dias 22 de outubro de 1986 –CZ$ 350.000; 22 de dezembro daquele ano –CZ$ 300.000; 28 de dezembro de 1987 –CZ$ 5.000.000; 31 de maio de 1988 –CZ$ 5.000.000 e 4 de outubro de 1988 –CZ$ 5.000.000.

Já os pagamentos foram feitos, a partir de 16 de junho de 2010, em 43 parcelas, sendo a primeira no valor de R$ 5.933,30, e as demais 42 no valor de R$ 5.903,33 cada; depois, a partir de 10 de janeiro de 2014, foram pagas mais 17 parcelas no valor de R$ 7.175,92 cada, fechando a conta com uma última parcela, no valor de R$ 41.813,24, paga no dia 21 de outubro do ano passado.

Em valores atualizados, o repasse total foi de R$ 354.200,25 que, acrescidos de rendimento de aplicação financeira –R$ 63.476,79, alcança a soma quitada totalmente de R$ 417.677,04.

VERBA NEGADA
A história do “Ginásio Fantasma” veio à tona no início da década de 90, quando o então prefeito José Carlos Moreira (1993/1996) esteve na Secretaria de Esportes reivindicando verba para a construção de ginásio de esporte na cidade. Na ocasião, o repasse foi negado sob o argumento de que a Secretaria já tinha liberado dinheiro para a construção de um segundo GE. A informação pegou de surpresa a cidade, já que não havia obra nenhuma com esta característica à vista da população.

Naquela ocasião, o ex-prefeito Wilson Zangirolami (1983/1988) disse que não havia “desviado verba nenhuma” e que o dinheiro apenas tinha sido realocado para a primeira fase de implantação do Recinto do Folclore, que posteriormente abrigaria um Ginásio, embora não especificamente de esporte, mas para atividades culturais fechadas, conforme as informações à época. Porém, até hoje, não há ali nenhum “ginásio fechado”, nem o próprio Recinto está totalmente concluído.

Comentários