Municipais vão decidir qual percentual de reajuste vão solicitar ao prefeito

Sindicato convocou Assembleia da categoria para dia 3 de outubro, na Câmara; presidente Buzzo disse que, desta vez, não vai levar nenhum valor ou percentual pré-estabelecidos

Jesus Buzzo

Serão os próprios funcionários públicos municipais da Estância Turística de Olímpia os responsáveis por discutirem e decidirem quais os valores e os percentuais que serão reivindicados ao prefeito Fernando Cunha (PSD), na pauta a ser elaborada pelo Sindicato da categoria, que o presidente Jesus Buzzo pretende protocolar na prefeitura no mais tardar na segunda semana de outubro próximo. A assembleia para tanto foi convocada para o dia 3 de outubro, às 19 horas, na Câmara de Vereadores.

Buzzo disse que desta vez irá mudar a estratégia. Ao invés de já levar uma planilha de percentuais e valores, irá de mãos vazias, deixando para que os próprios funcionários presentes à Assembleia decidam o que e quanto pedir. “Eles precisam sentar e trazer uma proposta de reajuste”, disse ele. “Vou deixar em aberto. Vou tentar assim, para que as pessoas participem, para que tenham a prerrogativa da decisão”, complementou.

Sobre a expectativa do atendimento ao que for pedido por parte do prefeito, disse que ela é “a de conseguir êxito na proposta deste ano”.  O sindicalista argumenta que a discussão será exclusiva dos funcionários, por ser mais legítima, a fim de que decidam. “Vamos tentar colocar em discussão os valores, saber se querem mais, se querem menos. Vai ser um choque de realidade neles”, enfatizou.

Neste ano, depois de intensa polêmica e diz-que-diz, com direito até mesmo a ofensa à categoria, proferida pelo prefeito em entrevista à imprensa, os municipais acabaram conseguindo reajuste de 4% sobre os vencimentos básicos para 2019. Além disso, a Prefeitura concedeu aumento de 10% no benefício de Auxílio Alimentação, que passou a ser de R$ 220 a todos os funcionários.

A contraproposta foi de difícil aceitação e até mobilização dos municipais teve pelas ruas centrais da cidade, com concentração na Praça da Matriz. A proposta do Executivo foi aprovada somente no dia 8 de maio. A data-base dos municipais é janeiro. A proposta inicial era de reajuste de 7% e aumento no valor do auxilio-alimentação que atingisse a cifra de R$ 300.

Sobre a entrega do documento com as reivindicações ao prefeito, adiantou que “se eles tomarem a decisão na quinta-feira, dia 3, eu já protocolo na sexta-feira mesmo, dia 4, à tarde. Não podemos aguardar por tempo muito longo. Aprovada a pauta, já vamos notificar o governo”.

ABONO
O presidente do Sindicato dos Municipais informou ainda que até ontem à tarde, quando falou com o Planeta News, o prefeito Fernando Cunha ainda não havia se manifestado quanto ao pedido de um abono feito a ele, no valor de R$ 200, para todos os funcionários, como compensação por sua dedicação, na data simbólica de 28 de outubro, Dia do Funcionário Público.

“Após um intenso e representativo processo da elaboração e discussão dos diversos segmentos dos servidores e funcionários públicos municipais e, em respeito às reivindicações da categoria, principalmente os servidores com menor poder aquisitivo, que reivindicam um abono pecuniário no valor de R$ 200, a ser pago em uma única parcela no dia 28 de outubro, data em que é comemorado o Dia do Servidor Público (...) extensivo a todos os servidores (...)”, diz teor do ofício.

Comentários