Médica do ‘Mais Médicos’ é apresentada pela Secretaria

‘Ela vem com a finalidade exclusiva de trabalhar na Estratégia Saúde da Família’, disse o prefeito Geninho (DEM)

 

 

Na tarde de segunda-feira passada, 17, o prefeito Geninho (DEM) e a secretária municipal da Saúde, Silvia Forti Storti, apresentaram para imprensa no Gabinete, a médica cubana Yolaysi Comendador Zamora, do Programa “Mais Médicos”, do Governo Federal.

 

“Ela vem com a finalidade exclusiva de trabalhar na Estratégia Saúde da Família”, disse o prefeito. Olímpia conta hoje com cinco equipes da ESF, duas na UBSF “Dr. Francisco Figueiredo Filho” no Jardim São José, uma equipe na UBSF “Valter Stuk”, na Cohab IV, uma na UBSF “Dr. Custodio Ribeiro De Carvalho”, em Ribeiro dos Santos e uma na UBSF “Dr. Gilberto Vicente Mora”, em Baguaçu. Segundo ele após o período de adaptação e aguardo da liberação do CRM da médica no Diário Oficial, ela será deslocada para um dos programas do município.

 

Segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde, Silvia Forti Storti, de acordo com a Lei nº 12.871 de 22/10/2013 e Portaria nº 30, o município será responsável pela concessão de moradia, alimentação e deslocamento apenas. Ao Ministério da Saúde cabe custear a bolsa-formação em favor dos médicos, no caso seu salário, bem como garantir supervisão e tutoria aos participantes.

 

Os médicos, por sua vez, devem cumprir a carga horária do programa (32 horas de ações de capacitação na realização de atendimento na Atenção Básica e 8 horas de ações de capacitação na realização de atividades acadêmicas), entre outros deveres estabelecidos na regulamentação do Programa.

 

De acordo com Silvia Forti, esta ação permite ao município uma opção por mão de obra em Saúde para sanar a deficiência de profissionais no setor. “Devido à falta de adesão dos candidatos nos concursos públicos para médicos no município e pela facilidade que o Programa traz, garantindo o médico durante o período de três anos, podendo renovar por mais três anos se o município e a médica tiver interesse”, disse a secretária.

 

“Inicialmente fizemos duas solicitações, e mais recentemente outra, assim existe a possibilidade de virem mais dois profissionais para o município”, informou o prefeito. “A Yolaysi veio contribuir e ampliar a cobertura para esta ação, somente neste programa de ESF, não podendo abrir consultório para atendimento particular, nem prestar plantões, por exemplo, na UPA de forma terceirizada”, disse a secretária.

 

A médica, que trabalhou seis anos na Venezuela, no Programa de Atendimento a Deficientes Físicos, está tranquila e disse que o seu proposito é trabalhar e fazer atividades de promoção e prevenção de Saúde. “Acredito que a maior dificuldade é a língua e talvez as diferenças regionais nas rotinas de atendimento. Porém, estou otimista”, observou o prefeito.

Comentários