Mais sete grupos confirmados para o 51º Fefol

Festival terá início este ano na sexta-feira, 7 de agosto, diferentemente de todas as edições da festa realizadas até agora


Comissão Organizadora do 51º Festival do Folclore de Olímpia, que será realizado de 7 a 16 de agosto, no Recinto de Exposições e Praça de Atividades Folclóricas “Professor José Sant’anna”, divulgou nesta terça-feira, dia 9, que sete novos grupos parafolclóricos estão confirmados para o evento. Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Pará, Ceará e Rio Grande do Norte estarão representados em Olímpia.

A festa, este ano, começará em uma sexta-feira, dia 7 de agosto, estendendo-se até o domingo, dia 16, ou seja, completando dez dias e noites do evento, pela primeira vez na história do Festival. O Fefol de Olímpia, originalmente iniciava-se no domingo e terminava no domingo seguinte, ou seja, tinha oito dias de duração. Depois, na década de 2000, passou a se iniciar no sábado, prosseguindo até o domingo seguinte, ou seja, por nove dias. E agora o Fefol, ao que parece, ganha mais um dia, começando na sexta-feira e prosseguindo até o domingo seguinte. Ou seja, passa a ter dez dias.

GRUPOS
Do Rio Grande do Sul, as tradições gaúchas serão representadas pelo Grupo Cala e o CTG Estância da Serra. Do Mato Grosso, o Grupo Parafolclórico Vitória Régia volta para Olímpia. Assim como o Grupo de Tradições Amazônicas Mapinguari do Pará, a Associação Cultural Maria Bonita do Ceará, e do Rio Grande do Norte, Grupo Cultural Caboclos e Rei de Congo do Mestre Bebé.

Grupo Cala
O Grupo CALA foi fundado no ano de 1995 por um grupo de funcionário de uma empresa da cidade de Nova Prata/RS. Criado com o objetivo de divulgar a cultura e recepcionar clientes em eventos desta empresa. No ano de 2012 tornou-se uma associação sem fins lucrativos.

O CALA é um grupo de danças folclóricas e tradicionais estilizadas que difunde tal cultura em festivais no Brasil e exterior. O elenco é formado por jovens estudantes do Ensino Médio e acadêmicos com formação superior. Os espetáculos apresentados são obras de arte, pois este processo é realizado de forma colaborativa e assim nasce a dramaturgia e dança que são o patrimônio cultural do amado estado Rio Grandense.

Mapinguari
Preservando a cultura paraense passada de geração para geração, este é o objetivo do Grupo Mapinguari. Criado no bairro de São Brás, o grupo passa do mais velho para o mais novo a sabedoria popular do povo amazônico. No espetáculo interpretado por cerca de 40 pessoas o público poderá conferir lendas da cultura amazônica como a da Vitória-régia e Iara, assim como Carimbó, Obaluaê, Pretinhas de Angola, entre outras danças.

Mestre Bebé
O Mestre Bebé como é conhecido por todos na cidade de Major Sales - RN, na região e até no País, vem desenvolvendo ações no meio cultural há vários anos e como ele mesmo diz, é uma cultura de raiz que vem passando de geração a geração.

A história de vida do grupo é composta das mesmas características da Vida do Mestre, são pessoas simples, culturais, trabalhadores e felizes. Os grupos majorsalense já haviam participado do FEFOL no ano de 2011, ano em que o estado homenageado foi o Rio Grande do Norte, na sua da 47ª edição.

Comentários