Governo municipal não responde sobre alugueis de imóveis

O seu discurso inicial de que faria economia reduzindo ou até mesmo nem alugando imóveis de terceiros, aparentemente caiu por terra

O governo de Fernando Cunha (PR) não respondeu, como já é praxe, e-mail encaminhado pela editoria do Planeta News no dia 11 de setembro, portanto há exatos oito dias úteis, questionando sobre os imóveis alugados de terceiros para acomodar setores da administração, contrariando seu discurso inicial de que essa prática não existiria em sua gestão.

Mas, como não são poucas as indicações de que há vários imóveis, inclusive alugados e sendo pagos sem uso em nome do município, o jornal elaborou um questionário minucioso, a fim de esclarecer esta questão junto aos cidadãos. A questão dos alugueis de imóveis de terceiros feitos na gestão passada, foi objeto de severas críticas do atual prefeito, alegando que tal prática era dispendiosa e, cortando-a, traria economia para os cofres públicos.

O questionário encaminhado via assessoria de imprensa e não respondido tem o seguinte teor (É bom reforçar que este mesmo questionário foi repetido, inclusive para dois endereços de e-mail da assessoria esta semana, e mesmo assim, a resposta não veio):

“Caros colegas da assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal da Estância Turística de Olímpia: Tem este a finalidade de obter junto a vossas senhorias, as informações que seguem, necessárias para embasar material jornalístico a ser publicado na nossa próxima edição, sexta-feira, 14 de setembro, com fechamento na quinta-feira, dia 13.

1 – Quantos imóveis o município tem alugados de particulares, incluindo-se Daemo e Prodem, eventualmente? 2 – Quantos deles já estão efetivamente sendo usados? 3 - Quantos ainda não estão sendo usados e por quê? 4 - E dos que ainda não estão sendo usados, o município tem pago os alugueis com os prédios fechados? 5 – Há quanto tempo? 6 - Os que estão sendo usados, servem a que setores da Administração? 7 – Os que não estão sendo usados, servirão a que setores da administração? 8 – Quais os valores – discriminados – dos alugueis pagos pelos cofres municipais? 9 – O governo municipal abdicou da promessa de não alugar prédios de particulares com o fim de economizar recursos? 10 – Outras considerações que julgarem necessárias.

Sem mais, e no aguardo de vossa manifestação, nos despedimos, reiterando nossa estima, consideração e respeito. ATT. JORNAL PLANETA NEWS - Priscila Seno Mathias Netto Foresti, diretora/editora”.

Sem as informações imprescindíveis do Poder Público, fica difícil enumerar e quantificar valores referentes a estes aluguéis. No que foi possível apurar, e já foi noticiado por este jornal, há um imóvel na São João, para onde foi a Secretaria de Administração, por R$ 7 mil ao mês. Ainda na São João, outro imóvel foi alugado, em frente à Terceira Idade, para o abrigo itinerante da Assistência Social. Nos altos da David de Oliveira, esquina com Washington Luiz, há outro por R$ 3,3 mil mensais, este ainda fechado e nenhum sinal de obras de reformas.

Nesta mesma rua, cerca de 200 metros acima, há outro imóvel, alugado da família David de Oliveira, onde está, hoje, o Museu de História e Folclore Maria Olímpia, do qual não se sabe quanto monta o aluguel, mas que deverá ser permanente, uma vez que o prefeito pretende instalar ali no Palacete “Giosué Tonnanni”, que é do município, um “museu de arte sacra”.  Outro imóvel alugado pelo município, está na esquina da Rua Síria com a 9 de Julho, e do lado há ainda um outro, onde funcionou a Secretaria de Agricultura por uns tempos, na gestão passada.

Ambos os prédios estão vazios. A casa da esquina está sem sinais de reforma também, mas os alugueis, consta, estão sendo pagos rigorosamente há pelo menos quatro meses. A propósito, a Secretaria de Agricultura funciona em outro imóvel alugado ainda na gestão passada, na Rua Durval Britto, no Jardim Glória. Na gestão passada, segundo informações não-oficiais, o aluguel seria em torno de R$ 2,5 mil.

Seguindo pela Rua Síria, na esquina com a Bernardino de Campos, há outro prédio alugado, onde, segundo se informa, deverá ser instalada a farmácia do município. Porém, como os anteriormente citados, não há nenhum movimento por lá e, também da mesma forma, constam que os alugueis estariam sendo pagos rigorosamente.

Há alguns dias atrás, um dos setores da Assistência Social foi transferido para um imóvel na Conselheiro Antonio Prado, mas este setor já estava em outro imóvel alugado, na 9 de Julho. Como não há informação oficial para a confirmação, um outro imóvel, na esquina da Bernardino com a Conselheiro, onde funcionou o Conselho Tutelar por muito tempo, não se sabe se está alugado ou foi devolvido ao proprietário. Aliás, o próprio Conselho Tutelar atende em um sobrado alugado também na Rua Siria.

Não há como se saber, infelizmente, o quanto esses alugueis remontam aos cofres públicos, já que o governo municipal se negou a prestar estas informações. E pode ser, também, que outros imóveis tenham fugido à relação. A propósito, há poucos dias atrás a prefeitura renovou o contrato de aluguel com o Clube Recreativo de Olímpia, onde há décadas funciona a Secretaria Municipal de Educação.

Comentários