Funcionária de padaria morre e colega fica ferido em acidente

Carro que a vítima dirigia chocou-se, no trevo da “Kimberlit”, com outro que vinha pela rodovia, partindo-se ao meio

  

Uma funcionária da Padaria Padoca, localizada no Jardim Santa Rita, morreu hoje pela manhã em um grave acidente ocorrido no chamado “Trevo da Kimberlit”, de acesso à Rodovia Assis Chateaubriand, SP-425. Seu acompanhante, também funcionário do mesmo estabelecimento, sofreu ferimentos graves.

Em virtude de ambos terem sido atirados para fora do veículo, ficou dificultada a identificação dos nomes, o que acabou gerando a informação de que o homem era o marido da vítima, chegando seu nome a ser divulgado em alguns meios de comunicação da cidade.

O acidente, que por volta das nove horas da manhã de hoje, provocou a morte instantânea da balconista Anelis Roberta Gandolfi, de 31 anos, moradora na Rua José Leal, 115, Jardim Santa Júlia. Já o passageiro do carro, o padeiro Sérgio Luiz Falchetti, de 25 anos, ficou em estado grave e foi socorrido pelo Resgate do Corpo de Bombeiros até a Unidade de Pronto Atendimento-UPA. Em seguida ele foi transferido para a Santa Casa de Olímpia.

Segundo a Polícia Rodoviária Estadual-PRE, os dois viajavam num Gol vermelho com placas HME 1340, de Olímpia, que está em nome de Sandro Alves de Souza, que, segundo consta na Delegacia de Polícia de Olímpia, seria o marido de Anelise. O condutor – ainda não se sabe qual das duas pessoas estava na direção – tentava fazer o trevo para seguir em direção a São José do Rio Preto.

Em razão das condições do local, o condutor não deve ter observado a aproximação do Polo preto, com placas DYH 7853, de Osasco, que era conduzido por Doni Yacoub Acecor, de 38 anos, morador de Franca. O condutor do Polo sofreu ferimentos até considerados leves e foi socorrido pela viatura do SAMU, também até a UPA.

Doni Yacoub Acecor teria declarado à PRE que seria a mulher quem conduzia o Gol. Consta também que no Polo havia muitos relógios que ocupavam metade de um saco plástico, destes que servem para armazenar lixo.

Como mercadorias provavelmente teriam o Paraguai como origem, ele foi autuado em flagrante por crime de descaminho. No entanto, ele pagou fiança no valor de R$ 700 e responderá a processo em liberdade.

Na delegacia ele declarou que os relógios seriam comercializados em Anápolis, Estado de Goiás, mas antes de seguir para lá passaria por Franca, onde reside.

 

Comentários