Festa do Peão teve metade do público esperado

Evento custou R$ 1,5 milhão; prefeito garante que não usará dinheiro da prefeitura

 

Embora sem uma contagem oficial de público, a estimativa feita com base no que foi divulgado nas três primeiras noites, o 3º Olímpia Rodeo Festival pode ter recebido metade do público esperado, ou pelo menos do público divulgado. O site oficial da festa fala em 100 mil pessoas nos cinco dias de festa – de terça, 11, a sábado, 15, o que daria média de 20 mil pessoas por noite – a lotação máxima permitida por noite era de 13 mil pessoas.

 

Mas, pelo menos em três das noites mais movimentadas – terça, quarta e quinta, a soma total foi de 30 mil freqüentadores, segundo dados passados pela própria organização da festa. Por exemplo, na terça-feira, com portões abertos, informou-se que 13 mil pessoas foram assistir ao show do cantor Latino, “pagando” um quilo de alimento não perecível, depois doado ao Fundo Social do município.

 

Na quarta-feira, segunda noite de festa, a contagem bateu nos 10 mil espectadores, segundo os organizadores, e na quinta-feira, foram sete mil pessoas ao recinto, segundo ainda esta mesma fonte. Portanto, 30 mil pessoas passaram por ali nas três noites iniciais. Para se alcançar o total de público divulgado no site oficial do evento, 100 mil pessoas, seria necessário que na sexta-feira e sábado, 70 mil fossem ao recinto, ou seja, 35 mil a cada noite, quase três vezes a lotação máxima permitida por noite.

 

A festa, segundo ainda os organizadores, teve um custo de R$ 1,5 milhão, dinheiro que segundo o prefeito Geninho (DEM) sairia da própria movimentação do evento, como, por exemplo, das seis mil permanentes que seriam vendidas.

 

FALTAM R$ 540 MIL

“Quero dizer que o 3º Olímpia Rodeo Festival já não vai dar mais despesa para a prefeitura, porque é uma festa que é cobrada”, disse ele dias atrás em entrevista à emissora que agora pertence a seu grupo político. Além disso, prometeu que esta edição deverá ser a primeira que não precisará dispor de recursos públicos para cobrir prejuízos com sua realização. As duas festas anteriores também foram cobradas, com uma noite “grátis”.

 

“Com o dinheiro das seis mil permanentes que estão sendo vendidas, paga toda a grade de shows”, contabilizou. Foram seis mil permanentes vendidas a R$ 80 cada, com faturamento estimado de R$ 480 mil. Considerando que o público médio em cada noite tenha sido de 10 mil pessoas, teremos outros R$ 480 mil, se forem vendidos quatro mil ingressos a cada noite, ao preço médio de R$ 30.

 

Ou seja, a festa pode ter faturado, bruto, algo em torno de R$ 960 mil. Faltariam R$ 540 mil para se chegar

“empatado” com o R$ 1,5 milhão gasto. Não houve renda do estacionamento, que foi destinada à Santa Casa. O camarote da Brahma, onde se pagou coisa de R$ 300 por noite por pessoa, era explorado por uma empresa, embora informações dêem conta de que metade dos convites teria ficado em poder de membros do estafe do prefeito, e do próprio Geninho, para distribuição gratuita.

 

Na primeira edição do Olímpia Rodeo Festival, em 2009, foram gastos só com contratações dos artistas, R$ 436.683, e na segunda edição, em 2010, estes custos foram de R$ 467 mil. Os gastos deste ano com a grade de shows ainda não foi revelado.

 

PEÃO GOIANO

O peão goiano Wesley Lourenço foi o campeão da etapa da PBR em Olímpia, totalizando 351 pontos. Na final, ele parou no “Mistério”, de Júnior Zamperlini, e obteve 90 pontos, vencendo o rodeio do 3º Olímpia Rodeo Festival. Cláudio Crisóstomo ficou em 2º lugar, com quatro paradas e uma queda, totalizando 343,75 pontos. Enéas Barbosa ficou em 3º lugar, com 266,75 pontos.

Comentários