Ferrasa obtém lavra definitiva e acelera empreendimentos

            Grupo FERRASA administra múltiplos empreendimentos e anuncia inaugurações em ritmo alucinante

 

 

            Em entrevista ao jornal Planeta News, o engenheiro e diretor do grupo Ferrasa, detalhou o que considera uma das grandes conquista para o grupo e a cidade de Olímpia, a concessão de lavra definitiva do poço termal.

 

            De pronto, com justificada empolgação, Nilton anunciou dois novos lançamentos do Grupo, anunciando o andamento das obras de um condomínio residencial de altíssimo padrão e os preparativos para o anúncio do Hot Beach Suítes Olímpia, a ser construído em área ao lado do Parque Hot Beach e Hot Beach Resort Olímpia na modalidade “cota imobiliária” que favorecerá sobremaneira o turismo familiar.

 

            Mas, antes de detalhar os novos empreendimentos, Nilton fez questão de afirmar que “a novidade, já realidade, é o poço já perfurado e que servirá ao Complexo Hot Beach, cujo código interno é P1, cujo processo chega ao final com a concessão definitiva de lavra, através de Portaria do Ministro das Minas e Energia, para exploração perpétua, ou seja, em definitivo. E já começamos a perfuração do P2 para reforçar o abastecimento das unidades com água mineral”, esclareceu o engenheiro Nilton visivelmente eufórico.

 

            Indagado se a autorização de lavra e operação definitiva do P1 se estende ao P2, Nilton foi enfático:

 

            - “Funciona assim: quando solicitamos o primeiro documento, que resultou na Portaria definitiva, já encaminhamos o pedido ao DNPM (Departamento Nacional de Pesquisas Minerais) a autorização de pesquisa do P2. Isto foi feito em 2009, quando ocorreu aquele problema no Thermas e não existia nada no Ministério em relação a Olímpia. No DNPM não existia qualquer solicitação de exploração do aquífero, nem de lavra nem de pesquisa, mas o órgão tinha conhecimento da existência de um parque aquático. Tanto é que deu problema logo em seguida”, informou o empresário.

 

            -“Iniciamos o processo para obtenção de autorização de pesquisa e lavra em maio de 2009, dando início ao procedimento de perfuração como pesquisa, conforme cronograma estabelecido pela rigorosa legislação sobre o assunto” – disse Nilton.

 

            -“Este é apenas o início do processo de licenciamento, cujas fases são demoradas, em razão do rigor da legislação. Tanto é verdade que demoramos cinco anos para obtermos a licença definitiva, mesmo tempo que está previsto para autorização do P2. Nas diversas fases, existe a obrigatoriedade de se fazer análises, diferentes testes, alguns com duração de um ano para observar o comportamento da exploração em períodos de chuva, seca, inverno, verão cujo nome é lamim, elaborado e observado por empresa especializada, cadastrada no Ministério, que emite um relatório, ultimo e decisivo documento para obter a concessão. No nosso caso, para o P1, o relatório é datado de 07 de outubro do ano passado, seguindo-se a assinatura da Portaria concessiva para exploração em definitivo” – explica Nilton Ferrato.

 

“Mesmo após a concessão, ainda tivemos que cumprir a lei e solicitar à CETESB, órgão estadual de controle ambiental, para obtenção da L.O. – Licença de operação, porque o órgão tinha iniciado um processo denominado  L. I. – Licença de instalação”.

 

            Sobre o dispositivo acoplado na saída do poço, que possibilita aos técnicos do DNPM a obtenção em tempo real de informações sobre a quantidade e qualidade da água, Nilson esclareceu:

 

            -“Acoplamos o dispositivo faz tempo. A aferição de consumo, quantidade e qualidade da água é feita em tempo real pelos órgãos fiscalizadores. Nossa água foi qualificada como mineral com propriedades terapêuticas, tudo indicando que a água do P2 terá as mesmas propriedades”.

 

            Sobrea a utilização dos poços, o engenheiro esclareceu:

 

            -”O P2, em fase de perfuração, vai servir ao Parque aquático com uma estimativa de produção equivalente a 500 mil litros por hora. Este vai atender especificamente o Parque Aquático. já em produção, com capacidade para 100 mil litros/hora, em princípio abastecerá a rede de hotéis, que inclui o Thermas Park Resort, o Thermas Aqua, que será inaugurado brevemente com o novo nome: “Celebration”, o Hot Beach e o Hot Beach Suítes Olímpia, que será edificado ao lado”.

 

            Instado sobre a exploração sustentável dos poços e o fornecimento da água mineral excedente, para o abastecimento da população de Olímpia, Nilton foi didático:

 

            “Já tivemos uma conversa preliminar com a administração local e nos propusemos a colaborar para que toda a água excedente, e não é pouco, seja utilizada para abastecer a rede do DAEMO. O estudo prevê a construção de uma adutora ligando o Hot Beach à Estação de Tratamento 2, a ser concluída nas proximidades da CECAP. Não se trata de compensação de uso, mas de fornecimento direto da água mineral excedente para abastecimento da população. De outra parte, nosso projeto prevê, até mesmo, a reutilização da água de descarte. Os tempos são outros”.

 

            Sobre acessibilidade, Nilton Ferrato explicou:

 

            -“Dentro do empreendimento todo o sistema viário foi submetido ao Plano Diretor da cidade, mesmo antes de definir o projeto. É responsabilidade do Grupo Ferrasa, que é o incorporador. Mesmo assim, soubemos que a duplicação da Rodovia Dr. Wilquem Neves, até o trevo da antiga Citrovale, está com projeto bem avançado e pode ser iniciada ainda este ano. Políticos de renome estão interessados em agilizar a obra”.

 

            Sobre a inauguração do Hot Beach Resort, Ferrato anunciou para maior de 2016 e próximo ao final deste ano já deverá ser iniciada a venda de passaportes para o novo e atraente empreendimento. O motivo da antecipação das vendas é porque, quem comprar os passaportes mais cedo, antes da inauguração, provavelmente pagará um valor bem menor.

 

            Por fim, Nilton apresentou um cronograma de inaugurações e sintetizou o gigantismo dos empreendimentos do Grupo Ferrasa:

 

            -“A primeira inauguração desta fase será a do Hotel Termas Áqua, com 264 quartos, prevista para maio ou junho. Quando da inauguração, o hotel passará a se chamar “Celebration”, novo nome que dá a dimensão de conforto e sofisticação do empreendimento. O Thermas Resort Spa já funciona há 12 anos, em frente ao Thermas dos Laranjais. O Hot Beach Resort tem inauguração prevista para meados de 2016 anexo ao Hot Beach Parque Aquatico, que é um empreendimento distinto. Por ultimo, o Hot Beach Suítes Olímpia, um empreendimento inovador que adotará o sistema de cotas imobiliárias, com 442 unidades, cuja comercialização está prevista para maio ou junho. Paralelamente, estamos lançando outro empreendimento que fará parte de todo o complexo Hot Beach, denominado Victoria, em área anexa pertencente ao Dr. Celso Mazitelli. Este condomínio possibilitará a ligação da cidade com a Rodovia Assis Chateaubriand, significando mais um acesso à cidade e ao futuro Vale do Turismo”.

 

           

 

                       

 

                       

 

 

 

 

 

 

           

 

 

 

           

 

 

 

 

 

 

 

Comentários