Ex-vereador Celso Teixeira é condenado a quase 37 anos de cadeia

Junto com o agricultor foram julgados também outros três elementos envolvidos com a tentativa de homicídio contra a ex-esposa de Teixeira, condenados a mais de 26 anos

Celso Teixeira

O ex-vereador olimpiense e primeiro político cassado na história de Olímpia, Celso Teixeira, de 71 anos, acaba de der condenado a 36 anos, 11 meses e 10 dias de prisão, sem direito a recorrer em liberdade, por ter sido o mandante da tentativa de homicídio contra sua mulher, Rosângela Cristina Fréo, em 2017, em Fernandópolis. Junto com ele, em julgamento que terminou na madrugada desta quinta-feira, 8 de agosto, foram condenados seus três comparsas, a 26 anos, sete meses e 24 dias de cadeia, também em regime fechado.

O Júri popular foi realizado no plenário do Fórum de Fernandópolis. Além de Teixeira, também sentaram no banco dos réus Rogério de Oliveira, morador em Olímpia, e Diego de Oliveira Queiroz da Silva e Ronilson Peris da Silva, moradores de Rondonópois. Os quatro estão presos no CDP-Centro de Detenção Provisória de Riolândia desde novembro de 2017.

De acordo com a denúncia feita pelo promotor Marcelo Antônio Francischette da Costa, Celso Teixeira decidiu matar a ex-mulher por não se conformar com a necessidade de partilhar os bens com ela.

De acordo com a denúncia, Celso induziu Rogério Oliveira prometendo-lhe recompensa de R$ 25 mil se providenciasse quem matasse Rosangela. Com isso, Rogério concordou e induziu Ronilson Peres da Silva a matá-la, mediante a promessa de receber R$ 10 mil, tendo este, por sua vez, induzido Diego que aceitou aderir à empreitada, com a promessa de receber R$ 5 mil.

A TENTATIVA DE HOMICÍDO
No dia 16 de outubro de 2017, por volta das 9h38, Ronilson e Diego entraram em contato com Rosangela, demonstrando a intenção de conhecer duas casas que pretendiam comprar, que ela lhes mostraria. Com isso, quando Diego estava sozinho com a vítima, no imóvel situado na Avenida Eladia Esser, em Fernandópolis, Diego, repentinamente, passou a asfixiá-la, aplicando-lhe uma “gravata”, jogando-a no chão e tapando sua boca e nariz para matá-la.

No entanto, segundo a denúncia, Rosangela mordeu as mãos de Diego, fazendo cessar a agressão e conseguiu fugir até seu veículo, uma caminhonete. Na sequência, Ronilson, que estava nas proximidades dando cobertura, junto com Diego, passaram a perseguir Rosangela. Foi quando Ronilson efetuou seis disparos que atingiram a caminhonete. Apenas um tiro atingiu Rosangela, que mesmo ferida conseguiu fugir, tendo sido socorrida.

Por outro lado, o caso foi investigado pela DIG - Delegacia de Investigações Gerais de Fernandópolis. Os autores da tentativa de homicídio foram identificados e presos, tendo confessado na fase policial que agiram a mando de Rogério Oliveira e Celso Teixeira.

Comentários