Don Edmilson diz que foi lição de humildade renúncia do Papa

Bispo da Diocése de Barretos afirma que "estamos diante de uma lição de humildade e grande amor à Igreja"

 

O Papa Bento XVI anunciou na manhã da última segunda, dia 11 de fevereiro, que irá renunciar ao pontificado em razão de sua idade avançada, “por não ter mais forças” para exercer sua função. O comunicado foi feito durante uma assembléia de cardeais na qual se discutia um processo de canonização e a renúncia irá acontecer oficialmente no dia 28 de fevereiro, às 20h.

O pontífice que completará 86 anos em 16 de abril, deverá nomear um carmelengo do Colégio dos Cardeais até a eleição do novo papa. O carmelengo é um cardeal que irá administrar a Santa Sé, mas não pode tomar decisões como sucessor de São Pedro, e é quem irá anunciarHabemus papam (Temos papa).

O bispo da Diocese de Barretos, Dom Edmilson Amador Caetano, manifestou-se por meio de nota ao jornal Planeta News dizendo que recebeu vários telefonemas perguntando da veracidade da renúncia do Santo Padre Bento XVI e disse que crê que “a TV etc. não brincariam, nem fariam fofoca com uma notícia de tal porte. O site da CNBB também anunciou. Uma declaração minha nada tem de oficial. Entretanto, lendo as palavras do papa, imediatamente algo surge no meu coração: um gesto de santidade. Estamos diante de uma lição de humildade e grande amor à Igreja”.

Na história da Igreja, esta não é a primeira vez que um papa renuncia ao pontificado. Renunciaram voluntariamente Clemente I, em 97; Ponziano, em 235; Bento IX em 1045; São Celestino V, em 1294; e Gregório XII, em 1415.

Não foi marcado ainda o Conclave que irá escolher o sucessor de Bento XVI.

Comentários