Cunha contrata empresa por R$ 8,31 milhões para construir viaduto

Obra será erigida a partir do final da Desembargador José Manoel Arruda até o início da vicinal Álvaro Britto; objetivo seria facilitar acesso de turistas aos clubes da cidade

Prefeito Fernando Cunha

O prefeito Fernando Cunha (PR) acaba de contratar a empresa TSP Construtora, Engenharia e Soluções Ambientais Ltda-EPP, empresa da capital com dois anos e cinco meses de atividades, pelo valor total de R$ 8.318.774,95, por meio da Concorrência nº 04/2018, “para construção de dispositivo de acesso na SPA 442/322, ou seja, Rodovia vicinal Álvaro Brito, KM 2+900 metros, obra que irá se situar a partir do final da Desembargador José Manoel Arruda até o início da Vicinal Álvaro Britto, alcançando as entradas das Cohabs I e II, do Quinta das Aroeiras, e do Quinta da Colina, pela rodovia. O documento de adjudicação não dá mais detalhes da obra.

O prefeito Cunha, aliás, tem usado este argumento, o de facilitação do acesso a estes bairros, para justificar o valor estrondoso que vai gastar Ali, mas na realidade, conforme o Planeta News apurou, a intenção primeira é facilitar a entrada e circulação dos turistas pela região interna da cidade, ou seja, tão logo entrem pelo trevo que demanda a Severínia, já têm caminho facilitado para os clubes locais, principalmente o Hot Beach, no qual Cunha tem seus interesses depositados.

“Eu tenho falado desde a minha candidatura, que a ideia é ter uma administração em Olímpia que olhe pelo Turismo”, disse o prefeito em entrevista dias passados. Disse o prefeito que “para as obras viárias no entorno do que é chamado de Vale do Turismo, a gente tem conseguido encaminhamentos para viabilizar com a participação da iniciativa privada”. O que, no entanto, não é o caso desta de mais de R$ 8 milhões. Consta ainda que deverão ser feitas desapropriações em propriedades existentes nas imediações das Cohabs há décadas.

A ideia de Cunha, conforme o Planeta apurou, é criar uma interligação entre as zonas Leste e Sudoeste, onde o trânsito de maior velocidade tende a ser maior na cidade com o acesso dos turistas que vêm da região da Grande São Paulo. “É uma região que o trânsito só tende a aumentar, por isso a necessidade de fazer uma obra no viário mais importante que Olímpia já teve”, completou.

Será uma obra com uma passagem em desnível, onde os motoristas poderão se comunicar por dois viadutos. Ao projetar marginais ligando os jardins Antônio José Trindade e Luiz Zucca (Cohabs I e II), é que ele terá que mexer em terras alheias. “Nós temos que construir na marginal da Álvaro Britto, ligando-a ao Aroeira, não só utilizando a travessia que nós iremos construir, mas uma via marginal, que depois se estenderá até uma rotatória em frente ao “Quinta da Colina”, completou.

Comentários