Campanha contra Febre Aftosa começou na sexta

O Estado de São Paulo inicia nesta sexta-feira, 1º de novembro, a segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa de 2013. O criador paulista tem todo o mês de novembro para vacinar bovinos e bubalinos do rebanho, “de mamando a caducando”.

 

O rebanho total paulista de bovinos e bubalinos é da ordem de 10,5 milhões de cabeças e vem alcançando uma cobertura vacinal acima de 95% do rebanho. Na primeira etapa deste ano, realizada durante o mês de maio, quando foram vacinados bovinos e bubalinos com até 24 meses de idade, o índice chegou a 97,97%, num contingente de 4,2 milhões de cabeças. Em novembro de 2012 o índice foi 98.86%. Por isso a expectativa de que esta etapa alcance os cem por cento de imunização do rebanho.

 

O Estado é reconhecido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento como livre da febre aftosa, com vacinação, e não registra casos da doença há 17 anos.

 

O pecuarista terá até o dia 7 de dezembro para comprovar a vacinação de todos os bovinos e bubalinos da propriedade e relatar os demais animais dos rebanhos eqüídeos (equinos, asininos e muares), suídeos (suínos, javalis e javaporco), ovinos, caprinos e aves (granjas de aves domésticas e criatórios de avestruzes).

Este ano o Sistema GEDAVE proporcionou ao pecuarista a possibilidade de declarar a vacinação pela Internet, mas para isso é preciso, requerer junto ao órgão oficial de Defesa Agropecuária a ativação da senha de acesso ao GEDAVE. Com esta senha o criador poderá comunicar a vacinação e também atualizar o saldo de animais com maior comodidade.

No site da Defesa (www.defesaagropecuaria.sp.gov.br) está disponível o manual que orienta, passo a passo, como declarar a vacinação contra febre aftosa via Internet. O acesso ao sistema GEDAVE é feito pelo endereço http://gedave.defesaagropecuaria.sp.gov.br/

VACINAÇÃO

O criador deve observar alguns cuidados para garantir uma boa vacinação:

 

- adquirir vacina somente em estabelecimentos cadastrados pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária. A legislação proíbe a o uso de vacinas contra a febre aftosa adquiridas em etapas de vacinações anteriores. 

 

- a vacina deve ser mantida entre 2  e 8 graus centígrados, tanto no transporte como no armazenamento. Para isso deve ser usada uma caixa de isopor, com no mínimo dois terços de seu volume em gelo. A vacina nunca deve ser congelada;

 

- escolher o horário mais fresco do dia para realizar a vacinação;

 

- vacinar de preferência no terço médio do pescoço (tábua do pescoço). Independente da idade, a dose é de 5 ml de vacina. A vacinação é obrigatória para todos os bovinos e bubalinos.

 

- usar seringas e agulhas higienizadas - sem o uso de produtos químicos (nem álcool, nem cloro);

 

- substituir a agulha com frequência, para evitar infecções;

 

- manter os frascos da vacina resfriados durante a operação;

 

- classificar os animais por idade (era) e sexo, para evitar acidentes durante a vacinação;

 

- a vacinação deve ser realizada de 01 a 30 de novembro de 2013. O criador tem até o dia 07 de dezembro para comunicar a vacinação ao órgão oficial de Defesa Agropecuária. É preciso ainda, declarar todos os animais de outras espécies existentes na propriedade, tais como: equídeos (equinos, asininos e muares), suideos (suínos, javalis e javaporco), ovinos, caprinos, aves (granjas de aves domésticas, criatórios de avestruzes).

 

A vacinação contra a febre aftosa é obrigatória. O criador que não vacinar ou não comunicar a vacinação ao órgão oficial de defesa agropecuária sofrerá as seguintes penalidades: 5 Ufesps, ou seja R$ 96,85 por cabeça por deixar de vacinar, e 3 Ufesps, ou seja R$ 58,11 por cabeça por deixar de comunicar a vacinação. O valor de cada Ufesp-Unidade Fiscal do Estado de São Paulo vale R$ 19,37.

Comentários