‘Não gostaria de levar uma descarga de arma não letal’, diz major

O primeiro comandante da Guarda Civil Municipal, major Rodrigues, conversou com a reportagem do Planeta News e disse que os guardas ‘não estarão exatamente desarmados’

Major em visita á Câmara

O major –PM Edson Rodrigues de Oliveira, natural e residente em Barretos, que acaba de ser nomeado comandante da Guarda Civil Municipal-GCM, disse ao Planeta News que o cidadão olimpiense em primeiro lugar, e os turistas, como consequência, deverão ter mais segurança a partir da implantação da guarnição na cidade, “com guardas que serão treinados e especializados, prontos para contribuir na prevenção da criminalidade”.

Sobre armamento, disse que a GCM não estará exatamente desarmada. Os agentes irão usar, num primeiro momento, armas não letais, aquelas de choque, “que têm tanto poderio quanto uma arma letal em termos de paralisação”. Segundo ele, a eficácia é comprovada porque “se você der uma descarga de uma arma não letal em um ser humano, ele não se move”.

Disse que o uso de armas letais “tem necessidade de um caminhar primeiro”, e como a Guarda está começando, está se estruturando, a arma não letal “cumpre todos os requisitos que a GCM precisa nesse momento”. Tanto, que ele avisa: “Eu não gostaria de tomar uma descarga de uma arma não letal”. Leia, abaixo, a íntegra da entrevista.

Em que medida o cidadão poderá se sentir mais seguro a partir da implantação da GCM?
R: Além da Polícia Militar haverá uma composição de viaturas identificadas e guardas civis devidamente armados trafegando pela cidade, proporcionado uma maior segurança pelos guardas que serão treinados e especializados, prontos para contribuir na prevenção da criminalidade.

Em que exatamente a GCM poderá atuar?
R: Destinada a cuidar do cidadão, os guardas treinados e qualificados, portando armas não letais, terão condições de atuar em uma ação preventiva maior junto à comunidade e certamente o fará, aumentando a segurança na cidade.

A atuação da GCM se restringe à região mais central da cidade ou eles também farão rondas na periferia, fiscalizações nas regiões mais afastadas do centro?
R: Está sendo realizado um estudo bem elaborado sobre os próprios para se saber como está a criminalidade no envolto dos próprios e dentro dos próprios da prefeitura, a intenção primeira é fazer um policiamento voltado para essa população que frequenta esses locais, praticamente envolvendo toda cidade, porque temos próprios da prefeitura na área de saúde, escolas e na praça central. Não pode se dizer que é um local especifico, pois será um policiamento voltado para o próprio, atuando de maneira geral.

O prefeito disse que o senhor tem um bom trânsito junto ao comando da Policia Militar especificamente de Olímpia, isso pode facilitar a resolução de determinados conflitos que possam ocorrer entre a Policia Militar e a GMC, ou isso não acontecerá?
R: Com um bom convívio, uma boa convivência e harmonia na segurança pública, quem ganha com isso é a população local, por isso é importante a união das duas forças.

Já atuou antes com a estrutura de uma GCM?
R: Não atuei, conheço bastante sobre segurança pública devido ao meu grau de conhecimento ao  desenvolvimento durante a minha carreira. Tenho formação em Direito, sou Bacharel em Administração de Segurança Pública e tenho mais algumas outras faculdades na área. Isso proporciona um grau de conhecimento muito grande e conhecimento técnico a gente tem bastante na área de segurança, já trabalhei em São Paulo e trabalhei muito tempo no policiamento operacional, e a gente sabe do que a população carece.

No momento o senhor está na ativa?
R: Não, se estivesse na atina não poderia comandar a Guarda, a legislação não permite. Estou na reserva.

O senhor acredita que a GCM de Olímpia, nos moldes em que ela está sendo estruturada, é o adequado? É o que se pode fazer? Ou está acima da expectativa?
R: Pelo que observei, a Lei foi muito bem preparada, os poderes Executivo e Legislativo trabalharam muito bem, essa questão inicial acredito que ela foi muito bem elaborada.

Então não vamos ter problemas?
R: Certamente, com todo esse aparato e uma legislação bem-feita como pude observar, foi realizado um trabalho muito bom do poder Executivo em conjunto com o Legislativo. Eles terão uma boa formação após o concurso que será realizado pela Vunesp, formação que conta com mais de 500 horas, um curso apropriado para GCM, onde terá das mais variadas matérias. A expectativa é muito grande.

A questão das armas, o senhor acha que realmente a decisão é correta de não se armar num primeiro momento? Ou o senhor acredita que armar seria o essencial?
R: Eles não portarão armas letais, não que eles serão desarmados, inclusive utilizadas por muitas Guardas a arma não letal tem tanto poderio quanto uma arma letal em termos de paralisação, porque ela tem ação neuromuscular, se você der uma descarga de uma arma não letal em um ser humano ele não se move. Num primeiro momento arma letal tem necessidade de um caminhar primeiro, como a Guarda está começando, está se estruturando, a arma não letal, ela cumpre todos os requisitos que a GCM precisa nesse momento, e conhecendo o poderio de uma arma não letal, com 5 mil volts de descarga, eu acredito que se isso fosse transformado em aplicação neuromuscular, eu acredito que é suficiente. Eu não gostaria de tomar uma descarga de uma arma não letal.

 

Comentários