Técnico do Galo ‘de olho’ no Nacional, na busca pelo acesso

Júlio Sérgio descartou o favoritismo contra o time da capital, não descartando dificuldades em campo

Tereza Breda lotado no último final de semana

Dono da melhor campanha do Paulistão A3, o Olímpia FC é um dos semifinalistas e disputa uma vaga na final e na Série A2 contra o Nacional. Estudioso, o técnico Júlio Sérgio analisa o rival da capital para não ser surpreendido e conquistar uma vaga no Paulistão A2 Itaipava.

Ex-goleiro, Júlio Sérgio tem 38 anos e iniciou sua trajetória de atleta no Botafogo. Após passar por Francana e Comercial, ele desembarcou no Santos, clube pelo qual foi bicampeão brasileiro. O ex-arqueiro também passou por Juventude-RS, Roma-ITA e Lecce-ITA, antes de encerrar a carreira no Comercial.

Como treinador, iniciou a carreira em 2015 no CRAC-GO. De lá assumiu o Sertãozinho e agora está no comando técnico do Olímpia. “Quando era jogador procurava estudar os jogadores, principalmente os batedores de falta e pênalti. Hoje, temos toda a tecnologia e a parte de análise de desempenho, que conta com nosso profissional Vinicius, que nos ajuda na preparação dos jogos para que não sejamos surpreendidos e que possamos anular as qualidades rivais”, disse Júlio Sérgio.

Apesar de ter a melhor campanha geral, Júlio Sérgio descartou o favoritismo contra o Nacional. “Os times que chegaram até aqui têm muita qualidade e não tem mais favoritismo. Com a chegada do Tuca (Guimarães), o Nacional é o time que mais evoluiu no campeonato e com certeza serão jogos difíceis. Temos de ser cuidadosos”, afirmou.

Com apenas uma derrota como mandante em todo o torneio, Júlio Sérgio analisou o fato de decidir a vaga diante do seu torcedor. “Quando você joga contra o Nacional, que tem uma estratégia definida, a vantagem de jogar em casa é fazer um gol cedo, pois eles gostam de explorar os contragolpes. Sabemos das dificuldades, mas o fato de decidir o acesso em Olímpia nos ajuda, mas não nos garante”, observou.

Próximo da primeira semifinal, o treinador falou do método de trabalho aplicado durante a preparação. “Podemos melhorar. Claro que não se muda nada radicalmente, temos um estilo definido e que nos trouxe até aqui, mas vamos nos adaptar ao adversário e passar as informações para os atletas”, falou.

Júlio Sérgio ainda fez uma projeção para o primeiro confronto da semifinal contra o Nacional. “Será um jogo difícil. É um campo bom que dá para jogar. Acredito que será bastante estudado e com grande qualidade técnica pelas características dos dois times. Eles tentarão fazer a diferença por estarem em casa, mas vamos procurar fazer um bom trabalho”, concluiu. Amanhã, 6, Nacional e Olímpia se enfrentam, às 15 horas, no estádio Nicolau Alayon, em São Paulo, o primeiro jogo pela semifinal do Paulistão A3.

FORÇA TOTAL E
RESPEITO AO ADVERSÁRIO
Primeiro colocado na primeira fase e com a melhor campanha entre os times da semifinal do Paulistão A3, após a vitória por 3 a 1 sobre a Portuguesa Santista, com público histórico no Tereza Breda, o Olimpia chega como um dos favoritos ao acesso para a Série A2. No entanto, o diretor de esportes do clube, Alexandre Luís pregou respeito ao Nacional, adversário de amanhã, às 15 horas, na capital paulista.

“Nosso time vem com força total, tivemos dois jogos muito difíceis contra a Portuguesa Santista e agora encaramos o Nacional, um grande time que devemos respeitar. O primeiro confronto é sábado e sabemos das dificuldades. Esperamos sair com um bom resultado para nos aproximar do nosso objetivo que é subir”, disse.

Segundo Alexandre, o time deve entrar com responsabilidade e brigar por seus objetivos. “Responsabilidade deve existir em qualquer jogo. Até para o time que aparece na zona de rebaixamento. Respeitamos muito a camisa do Nacional, que é um time muito tradicional, sabemos da nossa força e estamos focados nisso. O intuito é subir e vamos brigar para isso”, concluiu.

NO TB, RECORDE
HISTÓRICO DE PÚBLICO
Com a vitória por 3 a 1 contra a Portuguesa Santista, o Olímpia, dono da melhor campanha na primeira fase do Campeonato Paulista Série A3, está a dois jogos do acesso. O duelo de domingo foi pelas quartas-de-final do Campeonato Paulista da Série A3, com a presença de quase 2,7 mil torcedores, um recorde histórico de público em jogos oficiais do Olímpia FC.

No triunfo frente à Santista, o volante Rogério Maranhão foi decisivo na classificação do time comandado pelo técnico Júlio Sérgio. Maranhão entrou aos 25 minutos do segundo tempo e três minutos depois roubou a bola no círculo do meio-campo, deixando o atacante olimpiense Max Pardalzinho na cara do gol para fazer 2 a 1.

Já no finalzinho, em outra jogada de Maranhão, Renatinho recebeu passe açucarado dentro da pequena área para decretar de vez a vitória e, consequentemente, a classificação para a semifinal.

"Graças a Deus entrei e deu tudo certo. Fui muito feliz em participar nos dois lances que originaram os gols e a nossa vitória. Estamos no caminho certo e vamos continuar a trabalhar para conquistar o nosso objetivo, que é o acesso. Restam dois jogos contra um grande adversário que é o Nacional", disse Maranhão.

COMO FUNCIONA
O adversário da semifinal será o Nacional, que eliminou o Rio Branco, em pleno Décio Vitta, em Americana. Depois de empates em todos os jogos de ida, Olímpia, Nacional, Inter de Limeira e Monte Azul venceram seus jogos e vão disputar a semifinal. A formação do confronto se deu pela pontuação geral, incluindo as duas fases. O Olímpia ficou com 43 pontos, em primeiro lugar, e pega o Nacional, em quarto com 35. A Internacional, segundo com 41 pontos, pega o Monte Azul, terceiro com 36 pontos ganhos.

O sistema é igual à última fase. Os clubes se enfrentam em dois jogos. O segundo será disputado no estádio do time de maior pontuação. Após os dois jogos vão chegar à final os times que somarem mais pontos ou tiverem melhor saldo de gols.

Em caso de empate, a vaga será definida na cobrança de pênaltis. Os finalistas vão ascender para a Série A2.

 

Comentários