Reurbanização da Aurora Forti Neves deverá ter ponte para carros

Prefeito teria mudado projeto original, no qual o trecho entre Benjamin e Diógenes Breda seria uma espécie de ‘boulevard’, dentro da proposta de ocupação do espaço público pelo cidadão

O projeto original de reurbanização do trecho da Avenida Aurora Forti Neves entre a Rua Benjamin Constant e Diógenes Breda, como se sabe, foi modificado pelo prefeito Fernando Cunha (PR), sob alegação de erro técnico. Mas, o que ninguém esperava é que a proposta inicial, de se fazer dele uma espécie de “boulevard” destinado exclusivamente a pedestres, dentro do contexto da ocupação de espaços públicos pelo cidadão, pudesse estar sob ameaça de distorção.

Segundo informações extraoficiais, Cunha teria decidido colocar uma ponte atravessando a avenida, na altura de um posto de combustíveis e um supermercado existentes ali. Ou seja, sendo assim, a proposta urbanística mostrada em uma animação que circulou na gestão passada e ainda encontra-se à disposição no Youtube (digite “Avenida Aurora Forti Neves”), teria ganhado um novo formato, com uma reurbanização menos “cidadã”, abrindo espaço para a passagem de carros, motos, caminhões e outros tipos de veículos.

Quando fechou contrato com a nova empresa substituta da Davanço & Cavalleri Engenharia e Arquitetura, de Votuporanga, autora do projeto, Cunha teria garantido que ele seria mantido, com bicicletários, bancos, decks para descanso e contemplação, pista de caminhada e ciclovia, vaporizadores, bebedouros para pessoas e animais, iluminação de LED com fiação subterrânea e programável, academia ao ar livre e três novos acessos entre os lados, com pontes de ligação com bancos, ideais para descanso e apreciação do cenário.

Agora, com este novo equipamento a ser inserido no projeto, não se sabe o que poderia ser “sacrificado” desta proposta original. Mas ainda que tudo seja mantido, a ponte já não possibilitaria que aquele trecho fosse dedicado exclusivamente ao cidadão, ao pedestre em seus momentos de passeio, recreação, lazer e práticas esportivas. Haveria sempre o incômodo da travessia de veículos.

Quando Cunha assumiu, a obra estava parada, segundo ele, por conta de um erro na primeira etapa do projeto. Inicialmente, a fundação seria composta por brocas, mas foi necessário substituí-la por estacas pré-moldadas. Ou seja, tratava-se de um eventual erro técnico de estrutura, não de conformação arquitetônica.

Com a proposta revisada, a Prefeitura precisou relicitar a obra, no início do ano passado, para dar continuidade à segunda etapa, referente à urbanização. A empresa NPM –Comércio de Materiais de Construção Ltda-EPP, de Guaíra, passou a ser então a responsável pela conclusão, a partir de maio de 2017. Ou seja, há exatamente um ano.

Informações extraoficiais dão conta, também, que o prefeito pretenderia inaugurar aquele trecho da Aurora Forti Neves em 24 de junho, data do Padroeiro da cidade, São João Batista. Quem passa por lá já vislumbra o início do plantio de árvores, mas também vislumbra a concretagem ainda inacabada e a tal ponte ainda nem iniciada.

A empresa responsável pelo plantio é a Alternativa Verde Empreendimentos EIRELI-ME, contratada para “prestação de serviço paisagístico, com fornecimento de material e mão de obra”, por R$ 419 mil, conforme o Pregão Presencial nº 56/2018 e Contrato nº 43/2018, com prazo de 120 dias para concluir o serviço. E isso seria somente em agosto, conforme a data de contratação, 25 de maio passado. Cunha pretendia ter concluído esta obra em dezembro do ano passado.

A obra de revitalização da Avenida Aurora Forti foi orçada em R$ 5 milhões, dinheiro do Departamento de Apoio ao Desenvolvimento dos Municípios Turísticos-DADETUR, com pequena contrapartida do município.

Comentários