Olímpia poderá ter em breve um cemitério de animais

Uma vez disponibilizada a área, o vereador Antonio Delomodarme garante que o restante da solução já está acertado com a empresa de Miguel Daud, concessionária dos serviços funerários

Vereador Niquinha

Por iniciativa objetiva do vereador Antonio Delomodarme, o Niquinha (PTdoB), Olímpia poderá contar, em breve, com um cemitério de animais, a ser instalado pela iniciativa privada, a princípio sem ônus para os contribuintes que necessitarem usar as instalações.

O vereador tratou do assunto nas duas últimas sessões da Câmara, informando, na primeira menção, conversações que havia mantido com o prefeito Fernando Cunha (PR), que segundo ele, “aprovou a ideia”. Na segunda menção ao projeto, nesta segunda-feira, 9, disse que já havia mantido conversas com o concessionário dos serviços funerários de Olímpia, Miguel Daud, e este teria dado “sinal verde” para a proposta.

Assim, Niquinha deverá protocolar esta semana Requerimento ao Executivo Municipal, no sentido de que este encaminhe à Câmara projeto de Lei criando o Cemitério de Animais.

Niquinha disse ser uma preocupação sua contribuir para o bem estar da população de Olímpia, assim como de todos os animais de estimação que a população possui. Ele disse ter recebido várias reclamações de donos de animais de estimação que não encontram um local apropriado para enterrar seus animais quando morrem.

Além disso, observa que, por lei, o descarte dos restos mortais de animais, em geral é feito às margens das estradas rurais de nossa cidade, “causando grande transtorno para os moradores das proximidades e transeuntes”.

Sua indicação, a ser encaminhada ao prefeito Municipal e ao Superintendente da Daemo Ambiental, José Augusto Gianotto, pede que seja determinado ao setor competente a prática de “ações e gestões no sentido de disponibilizar uma área para que os animais de estimação possam ser enterrados com um mínimo de decência”.

Uma vez disponibilizada a área, o vereador garante que o restante da solução já está acertado com a empresa de Miguel Daud, concessionária dos serviços funerários, que teria se comprometido a construir o cemitério pet com recursos próprios e enterrar os animais de forma gratuita.

“Ele me ligou logo na primeira vez que falei sobre o assunto, dando sua palavra que nos ajudará a resolver a questão e levar a efeito a execução do projeto”, disse Niquinha.

GESTO DE CARINHO E RETRIBUIÇÃO
No passado, muitas famílias tinham o hábito de enterrar animais de estimação mortos em suas propriedades. Os antigos egípcios são conhecidos por terem mumificado e enterrado gatos, que consideravam divindades e os romanos por possuírem formas muito semelhantes de lidar com a perda do animal de estimação, dedicando espaço na sepultura de seu proprietário para a companhia de seus animais estimados.

Sepultar bicho de estimação após a morte, além de ser um gesto de carinho e retribuição às alegrias que ele trouxe em vida, faz parte de uma tendência conhecida como “humanização dos animais de estimação”.

Vale dizer que a falta de espaços nas casas vem fazendo com que aumente nas cidades médias e grandes do país, a procura pelo sepultamento em cemitérios de animais, fenômeno impulsionado também pelo aumento do número de proprietários de animais domésticos, de ambos os sexos e idades variadas, em todas as regiões do país.

Comentários