Cultura cearense será destaque no Fefol com a participação de três grupos

Da assessoria

A cultura cearense será destaque no 53º Festival do Folclore de Olímpia, segundo divulgou, na manhã de hoje, a Comissão Organizadora do evento. A festa, que será realizada de 5 a 13 de agosto, no Recinto de Atividades Folclóricas e Turísticas “Professor José Sant´Anna”, terá a participação de três grupos do Ceará. São eles: o Grupo de Tradição Folclórica Raízes Nordestina, Associação Cultural Maracatu Az de Ouro e Grupo Parafolclórico Terra da Luz, todos de Fortaleza, capital do Estado.

As agremiações chegarão em Olímpia no sábado, dia 5, para participação da abertura da festa, e retornarão para o Ceará no dia 13, após desfile de encerramento.

O Raízes Nordestinas foi fundado no dia 18 de agosto de 1996. Trata-se de um grupo de pesquisa e produção cultural sem fins lucrativos. Inspira-se nos grupos de cultura nativa, projetando para a linguagem cênica as várias manifestações da cultura popular tradicional, pesquisadas, coletadas e catalogadas pelo grupo.

Busca desta forma envolver e estimular a formação de bons hábitos e atitudes, despertando nos assistentes o sentimento de amor e entusiasmo pelas suas tradições, proporcionando assim um conhecimento maior e consciente das características do seu povo, incentivando a preservação, a difusão das nossas raízes e, sobretudo reforçando e valorizando a nossa riqueza histórica e cultural.

Em seu repertório, estão as danças cana verde, reisado de congos, coco de praia, coco do sertão, bumba meu boi, xote, São Gonçalo, maneiro pau, mulher rendeira, colheita, xaxado e cucuriá.

O Maracatu Az de Ouro foi fundado em 26 de setembro de 1936 por Raimundo Alves Feitosa, com o objetivo de se criar um maracatu para o carnaval de rua de Fortaleza. Em 1937 desfilou pela primeira vez, com apenas 42 participantes. Foi campeão do carnaval de rua pela primeira vez em 1980. Nos anos recentes ficou entre os 5 melhores maracatu de Fortaleza.

O Grupo Parafolclórico Terra da Luz foi fundado em março de 1980, pelo professor Francisco Silva de Freitas, já falecido. É uma entidade sem fins lucrativos e de finalidade cultural.

Hoje, sob a presidência de Delaneo Batista Costa e coordenação da professora e folclorista Flaudenia Mendonça, conta com 45 integrantes, entre folcloristas, pesquisadores, estudantes, atores, músicos e dançarinos. Tem como objetivo reservar e resgatar a cultura popular brasileira, promover o Folclore Brasileiro, o Nordeste, o Estado do Ceará, perpetuando valores culturais do seu povo. Apresentou-se em Olímpia nos anos de 1984, 1985, 1986, 1989, 1991, 1994, 1995, 1996, 1998, 2001 (quando foi capa do Anuário), 2002, 2008, 2011, 2012 e 2014.

Comentários