Carnaval terá ‘pouco mais de R$ 200 mil’, informa Tina Riscali

‘Espero que todos gostem’, pediu a secretária em entrevista coletiva nesta terça-feira; escolas vão receber R$ 21,9 mil cada para desfilarem por apenas dois quarteirões

Desfile em Olímpia na praça da matriz

Com “pouco mais de R$ 200 mil”, o Carnaval 2018 em Olímpia já está definido. A secretária municipal de Cultura, Esportes e Lazer de Olímpia, Tina Riscali, e seu diretor de eventos, Charles Amaral, falaram na manhã desta terça-feira, 23, com a imprensa, sobre o evento carnavalesco que este ano volta à Avenida Aurora Forti Neves, mas em apenas um trecho de três quarteirões, partindo os desfiles de domingo e terça-feira, 11 e 13 de fevereiro, da Benjamin Constant. Estão programadas quatro escolas de samba.

Tina Riscali disse que os “pouco mais de R$ 200 mil” serão usados na instalação de arquibancadas, sistema de segurança, banheiros químicos e decoração. Ou seja, neste montante não estão incluídos, então, os R$ 87,6 mil a serem divididos entre as escolas de samba, cabendo a cada uma valores em torno de R$ 21,9 mil. Portanto, prevê-se que o Carmaval-2018 em Olímpia terá custo em torno de R$ 300 mil na verdade, mesmo montante estimado para o ano passado.

As escolas de samba Unidos da Cohab, Acadêmicos do Samba, Vem Comigo e Samba Sem Compromisso, irão desfilar por no máximo 300 metros, sendo que os últimos 100 metros já serão para dispersão. Partirão da bifurcação da Deusi Móveis sentido Rodoviária, lado direito da avenida, até a Floriano Peixoto (dois quarteirões), dentro do desfile oficial, e cairão na “área de dispersão”, que é o trecho entre a Floriano e Bernardino de Campos.

Riscali e seu assessor Amaral prometeram dar conta este ano da iluminação do local do evento, que ano passado deixou muito a desejar. “A iluminação será reforçada, com lâmpadas mais potentes instaladas e refletores”, informaram. A expectativa é para um público entre 2 mil a 2,5 mil pessoas nas arquibancadas. Mas o público poderá também se acomodar fora delas, se preferir.

Riscali reconhece que ano passado a festa deixou a desejar. ““Teve muitos ‘ruídos’, muitos reclamaram que ficou longe. Pode não ter dado certo porque a população não queria que fosse aqui (no Recinto)”, revelou Tina Riscali, que contrariou então os apelos populares e mesmo assim fez a festa onde não se queria que fizesse.

“Nós fizemos uma nova análise e, como vamos ter Trio Elétrico, banda, e por ter melhor estrutura física, resolvemos fazer na avenida. As escolas também acharam melhor. A ideia é a de estender para toda a avenida”, completou Riscali, dando a entender que em 2019 a Festa de Momo será novamente na Aurora Forti Neves.

Não haverá palco este ano. Somente um pequeno palanque “para as autoridades”. O som virá do trio elétrico, onde também será feito o show da desconhecida Jana Lima, no domingo, que, ao que tudo indica, cantará axé. Charles Amaral disse que o uso do trio elétrico é devido a ser um recurso “moderno”, voltado para a juventude. O trecho do evento deverá ser todo cercado, com revistas pessoais.

Comentários