Buzzo confirma projeto de casas populares via Sindicato

Presidente rebate acusações do vereador Niquinha de que estaria forçando o funcionário público a se filiar com promessa de um imóvel

Jesus Buzzo

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Olímpia-SSPMO, Jesus Aparecido Buzzo, negou à reportagem do Planeta News que estaria induzindo filiações à entidade mediante a promessa de que conseguiria um imóvel popular dentro de um conjunto que estaria prestes a ser construído em Olímpia. A acusação foi feita pelo vereador Antonio Delomodarme, o Niquinha (PTdoB), na última sessão da Câmara de Vereadores. Ele acusou Buzzo de estar “forçando” o funcionário a se filiar fazendo tal promessa.

Da Tribuna da Câmara, na noite de 30 de abril, Niquinha disse, em tom ameaçador, que Buzzo estava “oferecendo casas para filiados no Sindicato”. “Era uma lista forçando a filiação”, enfatizou, acrescentando em seguida que “é mentira, já me informei”. Chamou a suposta atitude de Buzzo de “baixaria”, por forçar o funcionário público “a uma coisa que não existe”.

Procurado pela reportagem do jornal, o presidente disse que sim, existe uma proposta neste sentido, mas negou que estivesse forçando os funcionários a se filiar no Sindicato para entrar na lista de pretendentes. Mas não negou que o projeto, se vier a ser efetivado, irá contemplar somente aqueles que estiverem filiados. “O programa não é por meio de sorteio. E tem que ser sindicalizado, sim, porque o Sindicato presta serviços aos sindicalizados”, e não à categoria de modo geral, deixou claro.

Segundo Buzzo, a proposta aventada por ele seria executada por uma empresa especializada em construir moradias para servidores públicos. “O imóvel já sai no nome do servidor e ele só começa a pagar quando a casa estiver pronta”. Ele faz questão de frisar que não é sorteio, é por medição da capacidade financeira. “Nem todos que têm interesse conseguirão o imóvel”, observa o presidente. Buzzo garante que “o serviço é sério”, e o funcionário nem precisa ter terreno.

A empresa construiria um conjunto só para servidores. Ela mesma viabiliza a área e a construção. “Só que é preciso ter um número razoável de interessados, porque ela não faz conjunto com dez casas, por exemplo”, diz Buzzo. Caso haja interessados suficientes, agentes da empresa vêm e explicam aos funcionários, e juntos decidem se serão casas ou apartamentos, de acordo com o presidente. Depois dão inicio à papelada para viabilizar o financiamento. “É um programa bem sério”, atesta.

Buzzo lembra que esse tipo de projeto não é novidade. “O Morada Verde, por exemplo, viabilizou casas para servidores com atendimento preferencial pelo Sindicato”, lembrou. “Naquela ocasião não se exigiu sindicalização. Mas agora é apenas o Sindicato e o servidor”. Buzzo disse que esta possibilidade chegou até ele por meio da Central dos Sindicatos Brasileiros-CSB, que intermedeia todo processo, havendo número suficiente para um conjunto de casas ou apartamentos.

O presidente do Sindicato disse que em Marília há um conjunto assim, e vários no estado do Espirito Santo. “Não é um projeto aventureiro”, garante Buzzo, atribuindo as críticas do vereador ao “ciúme de sempre” (Niquinha preside interinamente a Associação dos Funcionários Públicos Municipais de Olímpia-AFPMO). “Estamos sugerindo a ideia para quem é sindicalizado. Precisamos formar um grupo de 200 funcionários dispostos, para conseguirmos viabilizar pelo menos 100 casas. É coisa bem séria, eu garanto”, finalizou.

CADASTRO PARA CASAS DO MUNICÍPIO
A propósito do assunto casas populares, a Prefeitura da Estância Turística de Olímpia vai realizar entre os dias 9 e 25 de maio, na Casa da Cultura, o cadastramento habitacional da cidade. O objetivo é levantar o número de casas que faltam para atender às necessidades de moradia da população. A Prefeitura informa que todos os horários serão previamente agendados com a distribuição de senhas, não havendo a necessidade de tumulto, filas e demora.

O cadastramento habitacional será direcionado para famílias de 0 a 10 salários mínimos. Os moradores serão inscritos em um Cadastro Único e receberão todos os esclarecimentos. A Divisão de Habitação explica que a ordem de agendamento não irá influenciar na ordem de cadastramento ou contemplação das casas.

Estas casas deverão ser nos moldes dos últimos dois conjuntos do Quinta da Colina entregues no ano passado, construídos pela Pacaembu. A empresa, ao que consta, já tem um lote de 500 moradias pactuado com a Caixa Econômica Federal e só necessitava de um terreno para a construção.

A área em questão está acima do Quinta da Colina, mesmo lado da vicinal, alcançando a rodovia SP-322. Muito provavelmente será um conjunto onde não se contemplará o mutuário por sorteio, mas, sim, por capacidade financeira, como foi o do Quinta da Colina.

Os agendamentos para a entrega dos documentos cadastrais serão realizados de segunda a sexta-feira, das 9 às 18 horas. A Casa da Cultura fica localizada na Rua São João, 942 – Centro.

DOCUMENTOS PARA CADASTRO
DOCUMENTOS PESSOAIS (apresentar vias originais): RG e CPF, Certidão de Nascimento ou Casamento, Certidão de Nascimento dos filhos menores de 21 anos, Comprovante de Residência: conta de água, energia elétrica, telefone, fatura de cartão de crédito ou extrato bancário recebido via Correio.

COMPROVAÇÃO DE RENDA (apresentar vias originais): Assalariados: três últimos holerites; Carteira de Trabalho; Extrato do FGTS atualizado; Empresários/Autônomos: Imposto de Renda; Contrato Social com os três últimos pró-labores; Aposentados: Número do benefício; Último extrato do INSS; Não assalariados: três últimos extratos de conta corrente constando o valor do limite do cheque especial; três últimas faturas do cartão de crédito.

Comentários