‘Episódios de crime’ preocupam vereador

Delegado aposentado, Hélio Lisse (PSD) diz que ‘se a lei não demonstrar força aos bandidos, eles crescem’, lembrando os episódios desta e da semana passada, em Olímpia

O vereador Hélio Lisse Júnior (PSD), delegado de polícia aposentado, deu voz à Câmara Municipal na segunda-feira passada, 24, no tocante ao clamor por mais segurança de forma geral na cidade, lembrando episódios ocorridos em Olímpia na semana passada, quando um comerciante foi baleado dentro de seu estabelecimento, outro sofreu tentativa de assalto em frente a uma agência bancária, e também, posteriormente ao seu pronunciamento, uma lotérica foi invadida de madrugada no centro da cidade. “Se nós não demonstrarmos força aos bandidos, eles crescem”, argumentou Lisse.

Uma de suas ideias visando coibir a ação de bandidos na cidade é o monitoramento das entradas e saídas, e a implantação da Guarda Civil Municipal que, na sua opinião, “não resolve (a violência), mas melhora consideravelmente (a segurança)”. Lisse se disse preocupado com os “episódios de crime” observados na cidade nos últimos tempos, argumentando ser este “o momento ideal” para implantação da Guarda Civil Municipal.

Sem detalhar de onde tirou os valores, o vereador peessedessista disse que o município, nos oito anos do governo passado, gastou “R$ 3 milhões com segurança”. E que este governo, em apenas quatro meses, já gastou “R$ 270 mil”. Provavelmente estes valores refiram-se à Função Delegada, convênio entre o município e a Polícia Militar, por meio da Secretaria Estadual de Segurança, no qual policiais militares de folga fazem a ronda a pé na região central, munido de todo aparato necessário, inclusive viaturas, se precisarem.

Sendo assim, teria havia um gasto de R$ 375 mil por ano, ou de R$ 31.250 por mês na gestão passada, e nesta gestão, de R$ 67,5 mil por mês, contados até meados deste mês. Porém, pode estar havendo um certo exagero nestes números, porque nestas condições, os gastos anuais podem chegar a R$ 810 mil, ou em quatro anos, R$ 3,24 milhões. Significaria mais que o dobro dos gastos do governo passado.

Para o vereador, é preciso que a cidade seja monitorada nas saídas e entradas, enquanto a Guarda Municipal seria estruturada com o dinheiro que se gasta atualmente “com segurança”. Há quem opine ser pouco eficaz o monitoramento, devido às muitas formas e caminhos para entrar e sair da cidade, com suas muitas ramificações, ampliadas ainda mais com a expansão territorial e urbana do município.

Comentários